Publicidade
Cotidiano
Campanha

No Dia Mundial da Voz, Fundação Adriano Jorge realiza atendimento neste sábado

A atividade faz parte da Campanha Nacional da Voz, que está sendo realizada no FHAJ pela quinta vez este ano 16/04/2016 às 13:49
Show 20160416091621
Pacientes passaram por triagem com profissionais da Fundação Hospital Adriano Jorge (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Luana Carvalho Manaus (AM)

A Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) está realizando durante todo este sábado (16) uma programação alusiva ao Dia Mundial da Voz,  comemorado hoje. As fichas para atendimento foram distribuídas até às 12h e pelo menos 500 pessoas procuraram o hospital para realizarem exames de videolaringoscopia. 

A atividade faz parte da Campanha Nacional da Voz, que está sendo realizada no FHAJ pela quinta vez este ano. De acordo com a chefe de serviço de otorrinolaringologia do hospital, doutora Sunia Ribeiro, os pacientes realizarão os exames neste sábado (16) e poderão buscar o resultado já na próxima semana. 

"Houve uma divulgação sobre esta triagem que faríamos hoje e estamos satisfeitos com a quantidade de pessoas que nos procuraram. Além disso, estes pacientes estão assistindo palestras e participando de outras atividades orientiativas", explicou. 

Ao todo, 16 profissionais especializados estarão na FHAJ, oferecendo um serviço de triagem e orientação sobre doenças que podem comprometer a voz, como é o caso de pólipos, nódulos (também chamados de calos vocais), câncer e outras doenças de laringe. Acadêmicos de medicina da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) também estão ajudando na triagem. 

Atendimento

Jocenira Reis Moura, 59, soube da iniciativa através de um grupo do aplicativo WhatsApp. "Uma amiga colocou que hoje o hospital estaria realizando essa atividade e eu não pensei duas vezes", comenta. 

Ela sofre com calos nas pregas vocais. "Tenho esse problema e como já fazem quase seis meses que não voltei no médico para fazer o acompanhamento achei esta oportunidade perfeita". 

 acadêmico de medicina Paulo Rodrigues, da liga de otorrinolaringologia da UEA, conta que nas quatro últimas edições da campanha, aproximademente 3 mil pacientes foram atendidos. Destes, seis foram diagnosticados com lesão maligna na laringe. Outros 70% apresentaram sintomas de lariginte posterior, doença decorrente do refluxo gastroesofagiano. 

Os sintomas de lariginte posterior é entalo na garganta, pigarro constante, rouquidão, ardor ao falar, tosse. "São sintomas secundários da nossa dieta, da alimentação do Amazonas, comemos muita gordura, pimenta, café e farinha. Quando diagnosticado, esses pacientes são tratados com o gastro e com o otorrino", explicou a durota Sunia.