Publicidade
Cotidiano
ECONOMIA

Nova temporada de cruzeiros deve injetar R$ 40 milhões na economia do Amazonas

Meio é um dos principais indutores de turistas estrangeiros no Brasil, garantindo uma receita cambial de variação positiva para o país 21/09/2017 às 19:13
Show capturar
(Foto: Divulgação)
acritica.com Manaus (AM)

Aquecendo o setor turístico da região, a nova temporada de cruzeiros no Amazonas inicia nesta sexta-feira (22) e vai até maio de 2018. Este é um dos principais meios indutores de turistas estrangeiros no Brasil, movimentando a economia além de garantir uma receita cambial de variação positiva para o País.

De acordo com dados da Gerência de Registro e Fiscalização (GRF) da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonas), a temporada 2017/2018 deve injetar pelo menos R$ 40 milhões na economia local, principalmente nos municípios de Parintins e os que formam a região metropolitana de Manaus.

O primeiro navio a atracar no Porto de Manaus é o Astoria, da Cruise and Maritime Voyages, trazendo cerca de 800 turistas, sua maior parte composta por franceses. Ao todo, são esperados mais de 21 mil turistas estrangeiros que visitarão a cidade em uma programação que dura em média, um pernoite.

Esta é a primeira vez que o Astoria entra na rota amazônica de cruzeiros. Dos 21 navios, cinco aportarão pela primeira vez no Porto de Manaus nesta temporada, segundo informou a Gerência de Registro e Fiscalização da Amazonastur. O último navio a aportar em Manaus será o Bremen, previsto para o dia 02 de maio de 2018.

Para a presidente da Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur), “as temporadas de cruzeiros são sempre um período muito importante do ano não apenas para o turismo, mas também, para outros setores, como a economia principalmente. Além, de ser uma oportunidade em apresentar à população estrangeira, o que temos de melhor em relação à cultura, gastronomia e recursos naturais”, afirmou Oreni Braga.

Na temporada passada (2016/2017), mais de 24 mil turistas passaram por Manaus, em 21 navios. Para este ano, é previsto um decréscimo de 11,61% no fluxo de turistas, devido a substituição das maiores embarcações por navios de menor capacidade, que incluem o Amazonas como ponto de parada em seus roteiros de viagem.