Publicidade
Cotidiano
Notícias

Nuvens de fumaça prejudicam navegação de barcos pelos rios do Amazonas

A baixa visibilidade nos rios decorrente das queimadas por pouco não causou um grave acidente numa embarcação com 60 passageiros 07/10/2015 às 11:42
Show 1
Embarcação ficou presa a um banco de areia por causa da baixa visibilidade no rio Solimões, provocada pela fumaça
náferson cruz ---

A intensa nuvem de fumaça proveniente das constantes queimadas tem prejudicado a visibilidade da navegação nos rios. Aliada ao baixo nível do rio, a fumaça transforma as viagens em uma aventura extremamente perigosa.

Devido à pouca visibilidade na manhã de ontem, o Expresso Kedson Araújo II, acabou colidindo em um banco de areia, deixando a embarcação encalhada e sem condições de prosseguir viagem. O acidente ocorreu no rio Solimões, nas proximidades do Município de Manacapuru, a 86 quilômetros de Manaus.

A Marinha do Brasil, por intermédio do Comando do 9º Distrito Naval, informou que não houve vítimas. Aproximadamente 65 pessoas estavam a bordo da embarcação, entre passageiros e tripulantes.

O Expresso Kedson Araújo II saiu de Manaus na manhã de ontem, por volta de 6h, com destino aos municípios de Anori, Codajás e Coari, destino final. Porém, por volta das 7h40, quando a embarcação passava nas proximidades de Manacapuru, bateu um banco de areia, causando susto nos passageiros e tripulantes, devido ao forte impacto por conta da velocidade em que navega esse tipo de embarcação - modelo expresso.

Resgate

Encalhada e com problemas mecânicos, a embarcação não teve como prosseguir viagem. Os passageiros foram deslocados para outra embarcação, que os conduziu ao destino final. Segundo as informações do proprietário da embarcação, o acidente ocorreu devido à baixa visibilidade no momento.

Na última semana, por motivo de segurança, os operadores de embarcações tiveram que interromper as suas atividades pelo rio Madeira. A fumaça tirou em quase 100% a visibilidade de quem trafegava pelo rio, segundo informações de marítimos. Segundo eles, a falta de visibilidade impede que as embarcações desviem dessas toras de madeira, tornando a navegação impossível no rio Madeira.

Deficiências em debate

As deficiências da infraestrutura portuária e uma série de outros entraves, que impactam o transporte fluvial de passageiros no Amazonas e na Região Norte, foram debatidas ontem. Entre as temáticas tratadas estavam às fragilidades do transporte fluvial de passageiros e cargas na região Amazônica, a formação de profissionais aquaviários, infraestrutura portuária e a segurança.

Após o encontro, um documento foi elaborado e seguirá para órgãos responsáveis para solucionar as falhas. O evento realizado no Hotel Intercity, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul, foi promovido pela Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária (Fenavega) e Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial no Estado do Amazonas (Sindarma).

Mais Inquérito

O proprietário da embarcação será notificado e a embarcação passará por uma vistoria para verificar as condições de navegabilidade da mesma. Um Inquérito Administrativo sobre Fatos da Navegação (IAFN) será aberto pela CFAOC para apurar as causas e responsabilidades pelo acidente.