Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ônibus executivos esperam nova decisão

Motoristas respeitam nova decisão judicial, mas aguardam um posicionamento diferente da Justiça na próxima semana 11/08/2012 às 12:07
Show 1
Na última quinta-feira , os executivos ainda circularam pelo terminal da Matriz, auotirzados pela liminar que durou um dia
Florêncio Mesquita ---

Nenhum dos 248 micro-ônibus que atuam no transporte executivo de Manaus circulou ontem no terminal da Matriz, no Centro da cidade.

A categoria que foi proibida de trafegar no local por força de liminar, apenas dez horas depois de retornar ao terminal também por decisão da Justiça, foi fiscalizada de perto pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU).

A categoria respeitou a decisão do juiz da Vara da Fazenda Pública Municipal, Lafayette Carneiro Vieira, que suspendeu a pedido da SMTU a liminar dada pelo juiz da 7ª Vara Cível, Rosselberto Himenes. A liminar do magistrado permitia aos micro-ônibus o direito de circular no terminal central.

Logo nas primeiras horas da manhã de ontem os usuários do serviço mais uma vez criticaram o limite da rota dos executivos. Os veículos voltaram a circular apenas da rua 10 de julho até à avenida Getúlio Vargas. Alguns usuários como a comerciária Geise Oliveira, 26, foram surpreendidos com a mudança. “Acho que a pessoa que usa o

executivo não gostou. Temos que andar da rua 10 de julho até à Matriz. É longe”, disse.

Apesar do posicionamento dos usuários, a SMTU informa que o transporte de massa por meio do ônibus convencionais é prioridade para a cidade e os executivos são apenas para complementar.

A superintendência ressalta que os usuários que optam pelo transporte executivo não representam a maioria da população, que utiliza o transporte público convencional. Para a SMTU, a maior parte da população não tem como pagar R$ 8,40 para ir e voltar do Centro com uma passagem de R$ 4,20. Por esse motivo, pondera a pasta, a população usa mais a tarifa de R$ 2,75, que deve ser preservada.

Segundo a presidente da Federação das Cooperativas de Transporte do Estado do Amazonas (Fecootram), Walderizia Melo, a categoria terá que esperar até a próxima quarta-feira para decidir o que vai fazer. “Até lá respeitaremos a última decisão do juiz”, disse.

Walderizia explica que a SMTU conseguiu com o juiz Lafayette suspender apenas por 72 horas a liminar do juiz Himenes. “O prazo só conta a partir da segunda-feira porque ontem foi ponto facultativo. De segunda a quarta-feira o juiz vai analisar se permite ou proíbe o acesso dos micro-ônibus ao terminal da Matriz”, disse.

De acordo com Walderizia Melo, a categoria já foi notificada formalmente pela SMTU e vai esperar a apreciação das liminares pela Justiça para tomar um novo rumo.