Publicidade
Cotidiano
INVESTIGAÇÃO

Operação Traíra: parte dos pagamentos à Fepesca foram feitos pela Susam, aponta MP

MP-AM pediu esclarecimentos das secretarias Susam, Sefaz e Setrab; a operação investiga organização criminosa que desviou verbas destinadas a pescadores entre os anos de 2009 e 2014 23/01/2018 às 16:33 - Atualizado em 23/01/2018 às 17:20
Show minist rio
Foto: Reprodução/Internet
acritica.com Manaus (AM)

Investigação do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) no âmbito da Operação Traíra – que apura convênios fraudulentos entre a Federação de Pescadores do Amazonas e Roraima (Fepesca) e a Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab) – constatou que parte dos pagamentos à Fepesca foram provenientes da Secretaria de Estado da Saúde (Susam).

O envolvimento da Susam foi verificado após a quebra dos sigilos bancários por parte do MP-AM. Os convênios 002/2012, 004/2012, 002/2013, 002/2014 e 005/2014 movimentaram R$ 5 milhões, segundo apurou o órgão. As investigações da Operação Traíra são realizadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO).

Os responsáveis à época pelas pastas da Secretaria de Fazenda (Sefaz) e Susam eram, respectivamente, Afonso Lobo e Wilson Alecrim. Ambos, atualmente, cumprem prisão após a Operação “Custo Político” da Polícia Federal (PF) por receberem propinas no esquema criminoso que desviou mais de R$ 110 milhões da Saúde, desarticulado em 2016 na primeira fase da Maus Caminhos.

O MP-AM determinou, em publicação no Diário Oficial do órgão (Domp), que o sigilo do processo seja retirado e pediu informações para a Sefaz, Setrab e Susam acerca dos pagamentos realizados na conta bancária da Susam relativos aos convênios firmados com a Fepesca. Além de notificar as ex-secretárias da Setrab Iraildes Chagas e Maria Francinete Lima.

Operação Traíra

No início de dezembro, o MP-AM deflagrou a Operação Traíra que desarticulou uma organização criminosa que desviou R$ 7,8 milhões de verbas destinadas a pescadores entre os anos de 2009 e 2014. O recurso deveria ser utilizado para a capacitação de pescadores por meio do projeto “Pescando Cidadania”. Durante a ação foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão, sendo 16 de pessoas físicas e dez jurídicas.