Publicidade
Cotidiano
Notícias

Pai usuário de droga espanca filha de nove anos com fio de TV

Segundo moradores do Jorge Teixeira, homem irritou-se com demora da menina e do irmão que tinham ido comprar “dindin” 07/09/2012 às 12:26
Show 1
Na Delegacia Especializada em Proteção à criança e ao Adolescente, mãe disse que já denunciou agressão contra ela
Maria Derzi ---

A Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) investiga o caso de uma menina que foi espancada pelo pai com um fio de televisão, em frente à casa onde mora, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste. O suspeito é usuário de drogas e alcoólatra, segundo informações da polícia.

Ele é conhecido por moradores do bairro pelas constantes surras que dá na esposa, além consumir entorpecentes na frente dos filhos. O caso foi registrado 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

A menina foi espancada por volta das 10h de ontem, quando B.G.A. saiu de casa para comprar “dindin”, juntamente com o irmão, de três anos de idade. Por conta da demora, ele saiu pela rua com um cabo de televisão e surrou a filha, ao encontrá-la na frente da residência.

A mãe estava no trabalho e  foi avisada pelos vizinhos que ajudaram a deter o pai das crianças e denunciaram a situação aos policiais do 14º DIP.

A menina ficou com marcas do fio de televisão nos braços e nas costas. “Ele nunca tinha batido nela desse jeito. Minha filha tem só nove anos. Isso é demais”, desabafou a mãe, que trabalha como ambulante.

Ela denunciou também o uso de entorpecentes dentro de casa. “Ele usa na frente dos meus filhos. Eles estão crescendo vendo o pai usar drogas e beber em casa”, disse a mãe.

Segundo ela, Rudimar perde o controle quando não consegue dinheiro para comprar os entorpecentes. “Ele fica louco quando a gente não dá dinheiro para ele comprar drogas. Mas, as crianças nunca foram com ele. Pelo menos isso”, respondeu a mãe ao ser questionada se alguma vez as crianças já acompanharam o pai enquanto ele comprava drogas.

O caso foi registrado na DEPCA como lesão corporal e agressão física contra o menor, com pena de até quatro anos de reclusão. Mas, após assinar o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), o pai das crianças poderá voltar para a casa.

Outra denúncia

A ambulante disse que já tinha denunciado o marido por agressão física contra ela  e chegou a pedir uma medida restritiva para que o marido saísse de casa. Agora, ela disse que pretende incluir também no pedido a agressão que praticou contra a filha.