Publicidade
Cotidiano
Notícias

Palavra de ordem é 'autonomia', diz ministra sobre conferência da pessoa com deficiência

 Há poucos dias do início da 3ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, disse nesta quinta-feira (29) que a palavra de ordem para o encontro é 'autonomia'. 29/11/2012 às 10:31
Show 1
A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, fala sobre a 3ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência
Paula Laboissière/ Agência Brasil ---

 Há poucos dias do início da 3ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, disse nesta quinta-feira (29) que a palavra de ordem para o encontro é 'autonomia'.

“Estaremos recebendo delegados e delegadas de todo o Brasil. É a maior conferência sobre os direitos da pessoa com deficiência que o Brasil já realizou”, disse, após participar do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência em parceria com a EBC Serviços.

Segundo Maria do Rosário, durante a conferência, o governo pretende apresentar um balanço das ações previstas no Plano Viver sem Limites, lançado em novembro do ano passado, que inclui iniciativas nas áreas de acessibilidade, educação, assistência social, trabalho e saúde.

“Estamos implantando políticas públicas em todo o território brasileiro, com o apoio dos governos estaduais e das prefeituras. Temos R$ 7 bilhões em investimentos até 2014”, disse. “Estamos vivendo essa conferência com muita vontade de que os resultados sejam uma cidadania cada vez mais ativa”, completou.

Para o secretário Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Antônio José Ferreira, a expectativa pelo encontro é grande. Ao todo, 1.500 pessoas devem participar da conferência, sendo 900 delegados.

“Estamos preparando uma grande operação para receber bem essas pessoas, desde o aeroporto até o salão das plenárias. Elas serão atendidas, acompanhadas e terão toda acessibilidade nas salas, com audiodescrição, legenda em tempo real e intérprete de Libras. O maior sentido da conferência é acompanhar o que governo tem feito pelas pessoas a partir de suas propostas”, concluiu Ferreira.

Edição: Denise Griesinger