Publicidade
Cotidiano
MASSACRE NO COMPAJ

Para presidente Michel Temer, massacre no Compaj foi ‘acidente pavoroso’

O presidente quebrou o silêncio e falou pela primeira vez, quatro dias após o massacre de 56 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim 05/01/2017 às 09:04 - Atualizado em 05/01/2017 às 09:21
Show 966023 01072015 dsc 6416
acritica.com Manaus (AM)

O presidente Michel Temer quebrou o silêncio e falou pela primeira vez sobre o massacre de presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no domingo (1).

Em encontro com os ministros José Serra (Relações Exteriores), Alexandre de Moraes (Justiça), Raul Jungmann (Defesa), Sérgio Etchegoyen (Segurança Institucional) e Eliseu Padilha (Casa Civil), Temer classificou a chacina no presídio de Manaus como um  "acidente pavoroso".

"Eu quero numa primeira fala, mais uma vez, solidarizar-me com as famílias que tiveram seus presos vitimados naquele acidente pavoroso que ocorreu no presídio de Manaus", disse o presidente manifestando sua solidariedade as famílias dos mortos.

Segundo o presidente, serão construídos nos próximos anos mais cinco presídios federais para lideranças de grupos criminosos de alta periculosidade, e o governo vai investir 150 milhões de reais para a instalações de bloqueadores de celulares em prisões de todo o país.

O massacre no complexo penitenciário deixou 56 presos mortos e culminou na fuga de cerca de 200 detentos.