Publicidade
Cotidiano
Cotidiano,Tragédia,Incêndio,Boate Kiss,Santa Maria (RS)

Parentes lotam ginásio em busca de informações sobre vítimas de incêndio em Santa Maria (RS)

Dentro de um dos ginásios, os nomes das vítimas identificadas e dos feridos internados em hospitais vão sendo ditados por meio de um sistema de som 27/01/2013 às 17:19
Show 1
Parentes das vítimas do incêndio na Boate Kiss chegam ao centro desportivo da cidade para identificar os corpos
Mariana Jungmann Santa Maria

Perplexidade e intensa comoção permeiam as famílias que comparecem ao Centro Desportivo Municipal de Santa Maria (RS) em busca de informações sobre as vítimas do incêndio na Boate Kiss, com 232 mortes confirmadas. O incêndio começou durante a madrugada de hoje (27) durante uma festa universitária.

Dentro de um dos ginásios, os nomes das vítimas identificadas e dos feridos internados em hospitais vão sendo ditados por meio de um sistema de som. Assim que os corpos são reconhecidos, os parentes são conduzidos pelos policiais individualmente para o reconhecimento dos corpos. Cerca de 40 pessoas já foram chamadas e milhares ainda aguardam a convocação.

Como a cidade não tem capelas suficientes para fazer velórios individuais, provavelmente haverá um velório coletivo. Carteiras escolares vão ser usadas para colocar os caixões. Os corpos de vítimas de outras cidades  deverão ser levados conforme demanda das respectivas famílias.  

Diversos estudantes de universidades de Santa Maria e de outras cidades trabalham voluntariamente para ajudar os parentes das vítimas, entre eles, alguns que cursam psicologia. Localizada na região central do Rio Grande do Sul, a cidade é considerada de porte médio e a quinta mais populosa do estado. Aviões das Forças Armadas estão sendo providenciados para ajudar a levar os feridos mais graves para Porto Alegre, capital do estado que fica a cerca de 300 quilômetros de distância.

A presidenta da República, Dilma Rousseff, foi a Santa maria e já saiu do centro desportivo após cumprimentar algumas pessoas. Ela interrompeu agenda no Chile para prestar solidariedade aos parentes dos mortos.

Os ministros da Saúde, Alexandre Padilha; da Educação, Aloizio Mercadante; e da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, permanecem no local para dar assistência às famílias.