Publicidade
Cotidiano
Notícias

PF apreendeu 1.800 quilos de drogas em 2012 no Amazonas

Pasta base de cocaína e maconha. Estes são os protagonistas do tráfico no Amazonas que estão presentes na maior parte das apreensões feitas pela Polícia Federal do Estado (PF-AM). Em escala menor, outras drogas tiveram entrada nos últimos anos: êxtase, metafetamina e LSD  22/02/2013 às 21:21
Show 1
A prioridade da PF, em 2013, é ‘atacar no bolso do traficante’, de acordo com o superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Sérgio Fontes.
Camila Pereira Manaus (AM)

Pasta base de cocaína e maconha. Estes são os protagonistas do tráfico no Amazonas que estão presentes na maior parte das apreensões feitas pela Polícia Federal do Estado (PF-AM). No ano passado, cerca de 1.800 quilos de drogas foram apreendidos. Até o último dia 22 de fevereiro, já foram confiscados 246 quilos de cocaína, só em Manaus. Seis pessoas foram presas. Os dados são da Superintendência da Polícia Federal do Amazonas.

De acordo com o Superintendente da PF, delegado Sérgio Fontes, a maior parte da droga se encontra nas fronteiras, onde o entorpecente entra no Brasil de forma pura. “Nós somos rotas de entrada. No Amazonas, forças federais e estaduais estão em lugar estratégico no combate, mas, infelizmente não temos o aporte que deveriam ter. Somos vizinhos dos maiores produtores de cocaína do mundo, que é a Colômbia, seguido pelo Peru e a Bolívia. A droga que abastece o país, não vem em mulas ou amarradas ao corpo. O consumo é muito maior no país. Vem disfarçada em grandes cargas que não tem como avaliar, debaixo de peixe, engradados seixo, botijão de gás”, destacou.

Ainda de acordo com ele, o material vem principalmente de Tabatinga, Rio Iça e Japurá. “O tráfico no Estado é feito, em 80%, pelos rios e os outros 20 por voos, mas ficaram mais difíceis pela atuação do Sipam e pela Lei de Abate. Temos um sistema que aponta aeronaves que estão voando em rotas suspeitas, por exemplo. Se fecharmos o rio e pudermos agir, conseguiremos melhorar muito”, afirmou.

Segundo Sérgio Fontes, para maiores fiscalizações pelos rios, alguns projetos serão utilizadas de forma adaptada. Como, por exemplo, o posto de fiscalização da Polícia Federal denominado de Base Anzol. De acordo com ele, por mais de 15 anos o posto funcionou na localidade de Palmares, no rio Solimões e foi desativada em 2009. Agora, segundo Sérgio, vai voltar a funcionar de forma móvel e será colocado durante alguns meses em cada ponto a ser definido pela Polícia Federal. O projeto não é novo, mas deve funcionar este ano.

Tipos de drogas

Em escala menor, outras drogas tiveram entrada pelo Amazonas nos últimos anos. “Nós apreendemos êxtase, metafetamina, LSD, em quantidades insignificantes. Em ocorrências pelo correio, passageiro que vem pelo exterior, mas o que temos de grave é cocaína, principalmente a pasta base”, afirmou o delegado.

Combate

Para batalha contra a droga, segundo Sérgio Fontes, a prioridade neste ano é a desarticular do capital nas organizações criminosas, ou seja, “atacar no bolso do traficante”. “Por muitas vezes, a prisão do traficante não gera tanto efeito quanto atacar o dinheiro e conta bancária. A droga tem que ser paga. Temos que entrar nas movimentações financeiras. Quem ta mandando dinheiro pra quem. O traficante recebe de que forma a droga, como vende, como é pago”, ressaltou.

Sérgio Fontes disse ainda que outra intenção da Polícia Federal  é investir em ações conjuntas com a polícia do Peru e Colômbia. “Só podemos avançar com ações em conjunto com a polícia peruana. Nós sabemos através de inteligência onde estão os laboratórios e plantações, mas não podemos prender no país deles. Através desses laços, fizemos três grandes plantações no último ano. Queremos repetir o feito”, finalizou.