Publicidade
Cotidiano
Notícias

Pirataria de produtos está cada vez mais popular em Manaus

A popularização das imitações confunde os consumidores, mas tem adeptos convictos quanto às vantagens das cópias. Além do preço baixo, os produtos “ching ling” têm diferenciais tecnológicos e aplicativos que não estão presentes nos originais 15/01/2012 às 18:29
Show 1
Cópias do tênis All Star são muito comuns nas lojas de calçados
Priscila Mesquita Manaus

É fato que os os produtos piratas invadiram o mercado informal em todos os segmentos. Geralmente, é possível reconhecer um produto “fake” com facilidade, em razão da qualidade inferior. Mas há, entre itens falsificados, um tipo de mercadoria capaz de confundir o consumidor na hora da compra, devido à semelhança que possui com a logomarca, o nome e o design dos produtos originais.

Essas imitações, também conhecidas como produtos “ching ling”, por sua origem asiática, estão presentes tanto nos camelôs de Manaus como nas lojas. A reportagem de A Crítica foi ao Centro da cidade e constatou a existência de aproximadamente 20 marcas estrangeiras e brasileiras, que até parecem, mas não são verdadeiras.

Nos camelôs que comercializam celulares, na avenida Eduardo Ribeiro, encontramos a marca Sony Vaic, que pela lente retrátil da câmera fotográfica parecia, de fato, um aparelho da Sony Vaio.

Outra imitação era o aparelho Nckia E71, muito semelhante ao Nokia E71, com a diferença que o chinês custava a metade do preço do original. Embora o custo seja um atrativo determinante para a aquisição do pirata, os diferenciais tecnológicos exclusivos das falsificações também motivam a compra.

O profissional liberal Carlos Martins* afirma que a redução de custo não é a  única vantagem. Em 2011, ele adquiriu o Nckia E71 pela segunda vez, pelo fato de gostar dos aplicativos e recursos extras.

“O celular vem com dois chips, redes sociais, cinco canais de TV aberta, tecnologia WI-FI, leitor de e-books, vários chats e ainda ganhei um cartão de dois gigabytes”, conta.

Imitações clássicas

 Um dos líderes de falsificações é o tênis All Star, cujo par original é vendido ao preço médio de R$ 60. Em três lojas diferentes de calçados, situadas na Marechal Deodoro e na Eduardo Ribeiro, são vendidas as marcas Star Gold, Super Star e Star Tech, que oferecem preços entre R$ 39 e R$ 48. Outra marca de calçados que não escapa da “criatividade” dos imitadores é a Kenner. Em uma das lojas, um par de sandálias da marca Kemp era vendida por R$ 15, enquanto o original custa, em média, R$ 50 nas lojas autorizadas. 

 * Nome alterado a pedido da fonte