Publicidade
Cotidiano
intercâmbio exterior

Portugal é destino mais procurado por estudantes que querem fazer intercâmbio no exterior

Além de aperfeiçoar idioma estrangeiro, estudar fora do Brasil ajuda a " turbinar" o currículo profissional 05/01/2012 às 07:14
Show 1
Universitários da UEA que estão partindo para intercâmbio no exterior
Jornal A Crítica Manaus

Aperfeiçoar-se em um idioma estrangeiro, conhecer uma nova cultura ou “turbinar” o currículo. Estes são alguns dos motivos que levam estudantes universitários de Manaus a se candidatar a bolsas de estudo no exterior, como fez a aluna Adriana Batista de Moura, 24, do curso de Administração da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), aprovada em um processo seletivo para a Appalachian State University, nos Estados Unidos.

 Adriana faz parte da nova geração de alunos brasileiros que começam a faculdade pensando em fazer cursos extracurriculares, participar de seleções de bolsistas e ir além do dia-a-dia da sala de aula. Junto com mais dois estudantes da UEA, ela deve embarcar para a cidade de Boone, no Estado da Carolina do Norte, hoje, onde ficará estudando por seis meses.

Oriunda de escola pública, Adriana disse que a fluência em inglês era sua principal preocupação para conseguir uma bolsa e estudar fora do País. “Eu sempre quis fazer um intercâmbio, mas nunca tive condições financeiras. Como todo edital pede fluência ou nível avançado no idioma do país que você vai, isso me impedia de conseguir uma bolsa dessas”, conta a aluna, que depois de sete anos estudando inglês por conta própria, matriculou-se em uma escola de idiomas e, após teste de nivelamento, passou para o último período.

 “Eram oito períodos, ou seja, quatro anos de curso de inglês, e o resultado do teste de nivelamento me deixou no último período. Só depois de cursar esse período que consegui o certificado de inglês e fiz inscrição para essa bolsa nos Estados Unidos”, relata Adriana.

Segundo o assessor de relações internacionais da UEA, Ernesto Roessing, a possibilidade de fazer parte da faculdade no exterior e ainda se aperfeiçoar em um idioma estrangeiro são os principais atrativos. Ele disse que o país mais procurado para intercâmbio pelos estudantes brasileiros é Portugal, seguido pelos Estados Unidos. “Eles preferem, inicialmente, Portugal pela óbvia facilidade do idioma. Em segundo aparece os Estados Unidos, já que é onde estão as melhores universidades”, disse Ernesto Roessing.

UEA inscreve candidatos

A UEA está inscrições abertas para alunos de graduação, da universidade, interessados em estudar na Alemanha, Estados Unidos, França, Itália ou Reino Unido, por até um ano. Para concorrer às bolsas é necessário, entre outras coisas, que o estudante tenha coeficiente igual ou superior a sete pontos, no máximo três reprovações e de 40% a 80% das matérias cursadas até o início do intercâmbio, previsto para o começo do segundo semestre deste ano.

 As bolsas são integrais e concedidas pelo Ciência sem Fronteiras (CsF), um programa federal desenvolvido em conjuntos pelos ministérios da Educação (MEC) e da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que seleciona alunos de graduação e pós-graduação por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 O estudante interessado em participar da seleção deverá inscrever-se gratuitamente, até 15 de janeiro, no site do programa CsF (www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/graduacao1) e preencher o formulário de inscrição correspondente ao programa. Além disso, deverá preencher o formulário anexo ao edital, disponível para download no site da UEA (www.uea.edu.br), e enviá-lo para os endereços de e-mail ari@uea.edu.br e uea.ari@gmail.com. Outras informações estão disponíveis pelo telefone (92) 3236-2662.