Publicidade
Cotidiano
DICAS

Prática de esportes na infância promove desenvolvimento físico e cognitivo

Exercícios ajudam no processo de formação óssea e muscular e no desenvolvimento social e emocional da criança 19/03/2018 às 18:04
Show crianca
Ag. Conversion Manaus

Os benefícios trazidos pela prática de atividades físicas durante a infância são variados. As crianças desenvolvem aspectos físicos e motores, além de aspectos sociais, afetivos e cognitivos durante os jogos e brincadeiras. “As crianças que realizam atividade física têm benefícios diversos, como ajuda no processo de formação óssea e muscular, favorecendo a melhora da postura, equilíbrio e também os aspectos psicossociais, como controle de ansiedade, melhora da concentração e da relação inter e intrapessoal”, destaca Thiago Costa, especialista em atividade física e saúde pela USP.

Rafael Martins, educador físico e professor de Movimento para Educação Infantil, diz que atividades físicas coletivas que envolvam a utilização do próprio repertório motor, gestos e expressões corporais para lidar com a demanda de um contexto lúdico contribuem para o desenvolvimento motor e para a saúde das crianças. “Na primeira infância, de 1 até 5 anos, essa vivência é de extrema importância, uma vez que a criança, como seu sistema nervoso central está em desenvolvimento, tem maior facilidade em assimilar novos padrões de movimento, o que lhe permite ter maior confiança em suas possibilidades de intervenção e até na autoestima”, explica.

As brincadeiras e atividades fazem com que as crianças tenham contato com frustrações, regras e diferentes emoções, além de promover o trabalho em equipe. “Participar e se envolver com a elaboração e construção de novos jogos e brincadeiras é importante para contribuir com a percepção da importância das regras em um contexto coletivo”, argumenta o educador.

Na escola onde Rafael trabalha, há um grande investimento nessas atividades, que proporcionam maior envolvimento e fazem com que as crianças criem seus próprios contextos de participação.

Não há uma atividade específica para cada idade. O que existem são focos para cada fase do desenvolvimento. “O desafio maior é colocar a criança ou jovem para se mexer, sempre buscando a cooperação ou até mesmo um pouco de competição saudável, de forma que perder e ganhar façam parte da brincadeira ou do jogo”, afirma Thiago. “Penso que, durante toda a infância, o mais importante é a diversidade de experiências e vivências motoras”, complementa Rafael.

Na primeira infância, o contato maior normalmente é com brincadeiras e jogos mais lúdicos. Rafael afirma que um treinamento muito específico e com muitas repetições pode não ser uma boa ideia. “Pode contribuir negativamente para a percepção de uma criança sobre a atividade física, uma vez que assume um caráter cansativo e maçante”.

O professor de Movimento para Educação Infantil diz que os calçados e vestimentas devem permitir a utilização de todo repertório motor da criança. Nesse sentido, o tênis infantil é o mais adequado, pois fica firme nos pés. “Sandálias e chinelos não possibilitam essa segurança e devem ser evitados”, afirma. Também vale ficar de olho no tamanho do calçado, para que ele não fique muito folgado ou aperte excessivamente os pés.

Os dois especialistas dizem que não há contraindicações para a prática esportiva. “Deve existir sempre um olhar para como a atividade faz parte da vida e como a criança se relaciona com ela, tendo em vista, sempre, uma percepção de que deve ser uma vivência prazerosa e significativa”, diz Rafael. Thiago complementa, alertando para alguns cuidados. “Verifique sempre com um médico se a criança tem algum problema de saúde que impeça realizar alguma atividade física”.

Publicidade
Publicidade