Publicidade
Cotidiano
Notícias

Presidente da Embrapa anuncia saída do cargo

Pedro Pereira alegou motivos pessoais. O pedido foi aceito pelo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho. Os dois devem se encontrar nesta segunda-feira para conversar sobre detalhes da decisão de Pereira 01/10/2012 às 15:50
Show 1
Pedro Pereira alegou motivos pessoais. O pedido foi aceito pelo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho. Os dois devem se encontrar nesta segunda para converar sobre detalhes da decisão de Pereira
Carolina Gonçalves/ Agência Brasil ---

Dois meses depois de confirmar a permanência na presidência da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com a recondução publicada no Diário Oficial da União em agosto, o pesquisador Pedro Antonio Arraes Pereira pediu exoneração do cargo, por motivos pessoais.

O pedido foi aceito neste domingo (30) pelo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho. Arraes deve se encontrar nesta segunda-feira (1º) com o ministro para oficializar o pedido e dar mais detalhes sobre a decisão.

A diretora de Administração e Finanças, Vânia Beatriz Rodrigues Castiglioni, ocupará a presidência da Embrapa provisoriamente até o anúncio do substituto de Arraes, que, segundo assessoria do ministério, será anunciado nos próximos dias.

No comando da Embrapa desde julho de 2009, Arraes reestruturou a inteligência estratégica da empresa com a criação de um núcleo de pesquisadores, batizado Programa Agropensa. O agrônomo carioca também liderou a reformulação da gestão da carteira de projetos, numa lógica de portfólios por temas como o de pesquisa do setor sucroalcooleiro energético e a conclusão das atividades do Programa de Fortalecimento e Crescimento da Embrapa (PAC Embrapa), com a criação de cinco novos centros de pesquisa (Embrapa Agrossilvipastoril, Embrapa Pesca e Aquicultura, Embrapa Cocais, Embrapa Agroenergia e Embrapa Estudos e Capacitação).

Com a publicação do novo estatuto da empresa, Arraes conduziu a atuação da Embrapa no exterior, com intuito de dar mais agilidade aos trabalhos fora do território nacional, principalmente na área científica. A medida gerou críticas por parte de alguns pesquisadores que temem o esvaziamento da produção nacional da empresa e alertam para a necessidade de renovação do quadro de funcionários e de investimentos em métodos e tecnologias adequadas para atender o mercado mundial mais competitivo.