Publicidade
Cotidiano
Notícias

Produção do Polo Industrial de Manaus apresenta queda

Foram onze categorias pesquisadas e seis ficaram com o saldo negativo, entre elas os setores de indústria de transformação (-11,52%), indústria geral (-11,35%) e produtos químicos (-10,25%), além dos setores da indústria extrativista (-3,01%) e borracha e plástico (-1,29). 07/12/2012 às 11:41
Show 1
Foram onze categorias pesquisadas e seis ficaram com o saldo negativo
Bruna Souza Manaus, Am

A produção do Polo Industrial de Manaus (PIM), no mês de outubro, sofreu a segunda queda consecutiva no ano com 3,5% se comparado com o mês anterior. O total nos dois meses acumula um saldo negativo de 4,9% de perdas e os principais setores afetados são o de refino de petróleo e produção de álcool (-41%), equipamentos de transporte (-35,6%) e bebidas e alimentos (-26,9%).

Os dados, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), apontam que o setor teve queda de 11,4% se comparado com o mesmo período do ano passado.

Foram onze categorias pesquisadas e seis ficaram com o saldo negativo, entre elas os setores de indústria de transformação (-11,52%), indústria geral (-11,35%) e produtos químicos (-10,25%), além dos setores da indústria extrativista (-3,01%) e borracha e plástico (-1,29).

De acordo com o economista Erivaldo Lopes, este recuo na produção é uma tendência em decorrência ao final do ano. “Considero normal estes índices neste período, pois as empresas produzem mais e os produtos ficam no estoque, sendo que o setor depende da compra da área comercial e nem sempre se vende tudo o que se produziu”, relatou.

Para ele, a queda da produção é uma acomodação refletida em toda a economia do país segundo a estatística nacional. Erivaldo acredita que o PIM não sofra com demissões neste período, pois no começo do ano o crescimento da produção industrial é esperado.

Saldo positivo

 A pesquisa aponta que os setores de máquinas e equipamentos, estimulados pela produção de aparelhos de ar condicionados e de equipamentos médico e hospitalar, ficaram com o saldo positivo se comparado ao mês anterior, com 23,48% e 17,33%, respectivamente.