Publicidade
Cotidiano
Notícias

Produção industrial do Amazonas recua 5,8%

Primeiro quadrimestre do ano foi fraco, principalmente para fabricação de motos, TVs e linha branca 07/06/2012 às 14:22
Show 1
Fabricantes de ar-condicionados sofreram grande impacto esse ano
Acritica.com Manaus

A produção industrial no Estado do Amazonas referente a abril retraiu 5,8% frente ao mês anterior, eliminando assim parte do avanço de 6,4% registrado em março. O impacto foi sentido na fabricação de motocicletas e suas peças; telefones celulares e televisores; e aparelhos de ar-condicionado e fornos de micro-ondas. 

A baixa na indústria nacional é reflexo da crise econômica. Dessa forma, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou queda de 19,4% nos setores de equipamentos de transporte ou polo de duas rodas; de material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (9,9%) e máquinas e equipamentos (29,8%), apontando os principais impactos negativos sobre a média global.

Na comparação a abril de 2011 com igual mês deste ano, o setor industrial do Amazonas registrou queda de 11,8%, revertendo à ligeira variação positiva de 0,3% observada em março último.

Com isso, no índice acumulado do primeiro quadrimestre do ano, a indústria amazonense mostrou recuo de 4,5% e acentuou o ritmo de queda frente ao fechamento do primeiro trimestre do ano (-2%), ambas as comparações contra igual período do ano anterior.

Vale citar também as influências negativas vindas dos ramos de refino de petróleo e produção de álcool (-25,7%), equipamentos de instrumentação médico-hospitalar, ópticos e outros (-18,3%) e edição, impressão e reprodução de gravações (- 4,9%), pressionados em grande parte pela menor fabricação de gasolina automotiva e óleo diesel, no primeiro ramo, relógios, no segundo, e discos de vídeo (DVD) no último.

Por outro lado, as influências positivas vieram dos setores de alimentos e bebidas (3,9%) e de produtos químicos (46,2%) impulsionados, principalmente, pelo avanço na produção de preparações em pó para elaboração de bebidas e oxigênio, respectivamente.

Nacional

Entre março e abril de 2012, os índices regionais da produção industrial mostraram taxas negativas em 12 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE, na série ajustada sazonalmente. As perdas mais acentuadas foram registradas em Goiás (7,6%) e no Paraná (7,0%) que, praticamente, eliminaram os avanços assinalados no mês anterior (7,7% e 7,3%, respectivamente).

Amazonas (-5,8%), Ceará (-4,7%), Rio de Janeiro (-2,9%) e Rio Grande do Sul (-2,4%) também apontaram recuos bem acima da média nacional (-0,2%).  Os demais resultados negativos foram verificados na Região Nordeste (-0,7%), Pernambuco (-0,6%), São Paulo (-0,4%), Bahia (-0,3%), Espírito Santo (-0,2%) e Minas Gerais (-0,1%). Por outro lado, Pará (4,3%) e Santa Catarina (0,3%) assinalaram os dois resultados positivos em abril.