Publicidade
Cotidiano
PROBLEMA

Psicólogo utiliza a literatura para incentivar a alegria e evitar a depressão infantil

A poucos dias do Dia das Crianças, o psicólogo Arnaldo Vicente faz um alerta sobre os problemas que atingem cada vez mais as crianças 07/10/2017 às 18:49 - Atualizado em 08/10/2017 às 11:43
Show vida0708 5f
(Foto: Divulgação)
Alexandre Pequeno Manaus (AM)

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão infantil cresceu de 4,5% par 8% na última década, e embora não haja dados estatísticos, a estimativa é que no Brasil de 1 a 13% das pessoas de 0 a 17 anos sofrem de depressão, ou seja, em média 8 milhões de pessoas. Pensando nesses números, o psicólogo especializado em Terapia Cognitiva Comportamental, Arnaldo Vicente, elaborou o livro “O Menino que Entrou Dentro de Si Mesmo” com o intuito de incentivar a leitura do pequeno (a) e proporcionar um momento entre pais e filhos, levando o aprendivado de forma colorida e divertida à criança.

A poucos dias do Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro, conversamos com o psicólogo Arnaldo Vicente e ele nos alertou sobre alguns cuidados e alertas sobre esse problema que atinge cada vez mais faixas etárias. De acordo com Vicente, a ideia para o livro surgiu quando ele trabalhava com pacientes de todas as idades no  Hospital de Reabilitação Anomalias Crânio Faciais – USP, conhecido mundialmente como Centrinho - USP, em Bauru-SP.

“Pude observar que haviam muitos pacientes tristes, ansiosos e deprimidos muito preocupados quanto a serem aceitos e amados pelas outras pessoas, por serem portadores de fissuras lábiopalatinas”, explica o psicólogo. “A urgência da maioria era que sua face não apresentasse mais seus lábios leporinos nem as alterações palatinas que dificultavam suas interações verbais com o outro. Sim, a maioria tinha esta intensa preocupação; no entanto, haviam alguns pacientes que estavam preocupados em um nível que não provocava a ausência da alegria, do entusiasmo e da esperança”, complementa.

Para isso, Arnaldo afirma que utilizou conceitos do teatro e da psicologia ao investir em técnicas que diminuíram as inseguranças de seus pacientes e aumentaram o resgate da coragem para promover seus modos de pensar e agir. “Passei a usar a expressão: ‘A sua cabeça está onde está a atenção dos seus olhos. Isto fará seu coração triste ou alegre, feliz ou infeliz’”, afirma.

Outro fator fundamental para a elaboração do livro foi quando o autor compreendeu a Terapia Cognitiva Comportamental, criada pelo Dr. Aaron T. Beck que tem como paradigma: “Uma situação não determina como você se sente, mas sim o modo como você a constrói (na sua cabeça)”. Por isso, Vicente afirma que acredita que pode levar essa boa nova à muitos pais e professores, chegando até as crianças e adolescentes posteriormente.

De olho nos sinais
De acordo com o especialista, os pais devem ficar atentos aos primeiros sinais que surgem nas crianças. “Primeiro devem analisar como tratam suas crianças diante do fracasso e do sucesso. Todas as crianças estão aptas a vivenciarem emoções como a alegria e a tristeza, a tranquilidade e o medo, além de outras cuja intensidade não alteram sua funcionalidade. Ou seja, são emoções resultantes de seus pensamentos alinhados com os seus objetivos em situações específicas que ocorrem no dia a dia. São reações passageiras onde ela é capaz de compreender, nem sempre de imediato, que já teve resultados positivos em outros momentos, concluindo que a possibilidade de sucesso nas situações futuras é real”, explica Arnaldo Vicente.

Ele alerta sobre os sintomas:

Cognitivos: baixa autoestima, respostas monossilábicas, não reage as perdas e castigos, não inicia conversas, não solicita atenção, não dá continuidade as conversas, entre outros.

Emocionais: tristeza, ansiedade, irritação, angústia, euforia, depressão, entre outras.

Comportamentais: isolamento, agressividade, mentiras, oposição, desafios, evita olhar nos olhos, está sempre com pressa para sair da situação, choro, entre outros.

Organismo, reações físicas: mudança no sono, apetite, cuidados pessoais, estresse, entre outros.

Motivação: deixa de fazer suas atividades ou as faz sempre com muito esforço e desprazer, desinteresse e falta de energia e concentração para realizar seus deveres, entre outras.

Outros aspectos: funcionamento hormonal, frequência de acontecimentos negativos graves e traumas.

“O Menino que Entrou Dentro de Si Mesmo”

Sinopse: Um menino triste encontra a felicidade quando entra no seu coração, vê seus pensamentos negativos e descobre que nem sempre precisa segui-los! E, assim, seu coração fica mais alegre! Por que recomendamos este livro? Toda criança tem pensamentos negativos, pesadelos e medos. Aqui, a criança aprenderá a olhar para seus pensamentos e desenvolver uma nova atitude frente a eles. Esta obra traz o conceito-chave da terapia cognitiva: a ideia é plantar uma semente para que a criança cresça emocionalmente saudável, conhecedora de si mesma e capaz de lidar com os desafios e as adversidades da vida cotidiana.