Publicidade
Cotidiano
Economia, Receita Federal, Muamba, Produtos Importados, Fiscalização, Black Friday, Eletrônicos, Aeroportos

Receita Federal apreende R$ 946 mil em mercadorias, durante fiscalização em aeroportos da Região Norte

Ação ocorreu nos aeroportos de Belém, Manaus, Rio Branco e Porto Velho, onde mais de 10 mil passageiros foram fiscalizados, e tiveram produtos como eletrônicos e artigos de vestiários retidos 02/01/2013 às 16:06
Show 1
Dependendo do caso as mercadorias deverão ser destruídas, leiloadas, doadas ou incorporadas
acritica.com Manaus

Um total de R$ 946 mil em mercadorias que entraram irregulares no País foram apreendidos durante uma operação integrada da Receita Federal, na 2ª Região Fiscal, nos aeroportos de Belém (PA), Manaus (AM), Rio Branco (AC) e Porto Velho (RO). O resultado da ação foi divulgado nesta quarta-feira (2).

As apreensões ocorreram entre os dias 19 de novembro a 12 de dezembro. A data coincide com o já famoso Black Friday, período em que as lojas dos Estados Unidos oferecem descontos de até 90% no valor das mercadorias.  

Em torno de 10 mil passageiros foram fiscalizados.

Só no aeroporto de Belém, onde a ação recebeu o nome Overbooking, o valor das apreensões totalizou R$ 300 mil. No de Manaus, o volume de mercadorias apreendidas foi avaliado em R$ 90 mil.

Já no aeroporto de Rio Branco, a Receita estimou em R$ 506 mil o valor dos produtos apreendidos. E, em Porto Velho, as apreensões feitas no aeroporto chegaram a um total de R$ 50 mil.

Entre os itens apreendidos constam tablets, smartphones, celulares e relógios. Também foram contabilizados óculos, tênis, bolsas, roupas e cosméticos, entre outros. Tais produtos podem ser leiloados, doados, incorporados ou destruídos, conforme o caso.

Além das apreensões, a Receita Federal arrecadou em torno de R$ 800 mil de impostos e multas, decorrentes de omissão de declaração ou prestação de informações inexatas ao Fisco. Conforme o inspetor Douglas Fonseca Coutinho, só a Alfândega do aeroporto de Manaus arrecadou R$ 725 mil.

“Operações como essa reforçam os efetivos dos aeroportos em épocas de grande circulação de passageiros em voos internacionais para controlar os limites das cotas da bagagem acompanhada e coibir a entrada ilegal de mercadorias no país”, avalia o superintendente adjunto Eduardo Fernandes Badaró, sobre a importância da ação.