Publicidade
Cotidiano
FEMINICÍDIO

Justiça condena réu a 22 anos de prisão por matar garota de programa em Tefé, no AM

Crime ocorreu em 2016 e ganhou grande repercussão. Segundo acusação, Eduardo estrangulou a vítima até a morte e depois violou e vilipendiou o corpo 26/03/2018 às 14:51
Show show unnamed
Foto: Arquivo A Crítica
acritica.com Manaus (AM)

Eduardo Lopes Carvalho, de 22 anos, foi condenado pela Justiça do Amazonas a 22 anos de prisão, inicialmente em regime fechado, por matar a garota de programa Marcela do Carmo Neves, de 34 anos, em 28 de setembro de 2016. A condenação dele foi dada pelo Conselho de Sentença da Comarca de Tefé, município distante 525 quilômetros de Manaus, durante o mutirão “Justiça pela Paz em Casa”. O crime, na época, ganhou grande repercussão por conta da violência e motivação fútil.

De acordo com os autos, na ocasião do crime Eduardo entrou em uma pousada após acertar um programa sexual no valor de R$ 30 com Marcela. No entanto, segundo testemunhas, no encontro houve um desentendimento entre Eduardo e Marcela. Conforme a Polícia Civil divulgou na época, ele não teve ereção. Apesar disso, Marcela se recusou a devolver o dinheiro recebido pelo programa. O agressor teria, então, enforcado Marcela até a morte e, ainda, violado o corpo dela, cometendo também o crime de vilipêndio a cadáver.

Por unanimidade, os jurados do Conselho de Sentença reconheceram a materialidade do crime durante o julgamento, em sessão pública do Tribunal do Júri. Sob o réu recaíram, ainda, quatro qualificadoras – motivo fútil, feminicídio, vilipendio a cadáver e utilizar meio que dificultou a defesa da vítima – que ampliaram a pena imposta.

“As circunstâncias do crime foram graves por conta da forma como o mesmo fora praticado, com extrema violência e absoluto menosprezo pela vida humana. Consolido a pena em 22 anos de reclusão em regime fechado, inicialmente. Considerado que o réu ficou preso durante toda a instrução e agora com muito mais razão deverá ficar preso”, destacou o Juiz Luís Claudio Cabral Chaves, que responde cumulativamente pela 1ª Vara da Comarca de Tefé e presidiu o julgamento.

Além de julgamentos e audiências de instrução a campanha “Justiça pela Paz em Casa”, em Tefé, também teve uma programação extra, que incluiu a realização de um casamento coletivo, com a participação de 30 casais. A atividade,foi conduzida pelo juiz Luís Claudio Chaves. “É um momento de dar ênfase aos serviços realizados no âmbito da Justiça e que beneficiam diretamente a população do Município. A semana foi muito proveitosa pelo fato de podermos ter atendido o nosso jurisdicionado pela melhor maneira possível”, destacou o magistrado.

Publicidade
Publicidade