Publicidade
Cotidiano
Notícias

Reunião com bancos estatais reanima setor de duas rodas

Encontro pode resultar em linha de crédito acessível para compra de motos 21/09/2012 às 08:51
Show 1
José Eduardo, da Abraciclo
Jornal Acrítica ---

Foi considerada extremamente positiva, por representantes da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), a reunião entre o setor de duas rodas do do Polo Industrial de Manaus (PIM) e representantes de instituições financeiras, mediada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) na tarde desta quinta-feira (20), em Brasília.

“A reunião foi muito boa. Os estudos que vão avançar e  podem  resultar em iniciativas positivas para o setor. É um pouco cedo para definir alguma coisa”,  disse o diretor executivo da  Abraciclo, José Eduardo Gonçalves.

Na avaliação dos presentes, foi dado um importante passo na busca pelo reaquecimento do consumo no mercado nacional de motocicletas. Durante a reunião, o segmento apresentou argumentos que levaram os bancos a estudar a reabertura de linhas de financiamentos para motocicletas no Brasil.

O passo fundamental foi dado na  sexta-feira (14), com a publicação da circular 3.609, do Banco Central (BC), que reduziu a alíquota do compulsório sobre depósitos à vista e a prazo e permitiu aos bancos deduzirem deste compulsório o saldo das operações para financiamento e arrendamento mercantil de motocicletas. Em outras palavras, o BC “barateou” o financiamento deste tipo de veículos para o sistema financeiro, tornando o produto tão vantajoso como o financiamento de carros.

Na reunião de Brasília, o teor da circular 3.609 esteve na pauta das discussões e os bancos prometeram apresentar, em dez dias, projetos para novas linhas de crédito para duas rodas. O prazo é necessário para que as instituições possam calcular os índices (número de parcelas, juros etc) que devem garantir a viabilidade do produto diante da inadimplência.

Estiveram na reunião, além de representantes do setor financeiro e produtivo, o superintendente da Suframa e técnicos do governo federal e do Estado do Amazonas.