Publicidade
Cotidiano
Iranduba

Um ano depois, problema cantado pelo menino Estevão continua sem solução

Um ano se passou, mas as tão sonhadas melhorias não chegaram para os alunos da Escola Municipal Dona Mieko, na estrada do Caldeirão, no Município de Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus). 16/04/2016 às 04:00 - Atualizado em 16/04/2016 às 10:53
Show capturarf
Estevão de Andrade, 13, compôs uma música de protesto relatando a sofrida rotina que os estudantes enfrentavam para estudar na Zona Rural de Iranduba (Euzivaldo Queiroz)
Silane Souza Manaus (AM)

Um ano se passou, mas as tão sonhadas melhorias não chegaram para os alunos da Escola Municipal Dona Mieko, na estrada do Caldeirão, no Município de Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus). Em abril de 2015, o estudante Estevão de Andrade, 13, compôs uma música de protesto relatando a sofrida rotina que os estudantes enfrentavam  para estudar. O vídeo em que ele cantava a composição “viralizou” na internet e o menino chegou a participar do Programa do Gugu, na TV Record. 

Hoje Estevão conta que a situação só piorou. Os ônibus do transporte escolar foram trocados, mas só um funciona direito, os outros dois vivem pregando. Além disso, a estrada do Caldeirão está praticamente intrafegável. Conforme ele, os moradores  até fizeram um protesto no final de março pedindo a revitalização dela, mas não foi tomada nenhuma providência por parte do poder público do município. 

Parte da escola também está sem energia elétrica desde meados de setembro de 2015 e, consequentemente, sem ar-condicionado. “Desde quando fiz a música os ônibus melhoraram, mas a questão da escola piorou bastante. A parte da frente tem energia e a de trás não tem. Nessa faz um calor horrível e a gente não consegue enxergar direito o que o professor escreve na lousa porque fica escuro”, relatou Estevão.

Outra mazela apontada por Estevão é a quadra poliesportiva da escola que ainda não foi concluída. As obras estão paradas. Assim como também a do posto de saúde, onde o mato toma conta do local. “A nossa quadra que a prefeitura disse que ia ficar pronta no começo desse ano até agora não saiu. O posto de saúde que estava sendo construído perto da escola também não foi entregue e as obras estão paralisadas. A realidade que mostrei não mudou nada”, conclui.

De acordo com a mãe de Estevão, Lialdeci de Andrade, 34, depois da manifestação que houve nas proximidades da Escola Municipal Dona Mieko, a atual prefeita de Iranduba, Maria Madalena de Souza, foi ao local, mas disse que não tinha verba para fazer os reparos na escola e nem na estrada. “Ela disse que o município não tinha condições de fazer nada. E só mandou tapar com barro os buracos que tinham na entrada da escola, que impediam o ônibus de entrar para deixar os alunos”, afirmou. 

A reportagem tentou contato com a prefeita, mas não obteve sucesso.

Garoto prodígio se recupera de uma miningite

A produtora rural Lialdeci de Andrade, 33, mãe de Estevão, relata que o filho nunca mais compôs algo.   Hoje ele se recupera de uma meningite. “Ele continua estudando, mas ficou restrito, não pode pegar sol e chuva por causa da recuperação. O Estevão passou 12 dias internados em fevereiro desse ano. Até agora eu aguardo o resultado de um exame de microbiologia que ele fez no Hospital Pronto-Socorro da Criança Zona Oeste”, afirmou. 

Ela espera que o poder público volte os olhos para aquela região, principalmente para tapar os buracos da estrada do Caldeirão e arrumar a fiação da escola. “As crianças estão indo estudar todos os dias, mas saem mais cedo por casa dos problemas da escola, que está sem energia elétrica desde o ano passado. Com isso, elas são prejudicadas, pois não enxergam direito e com o calor o desconforto é muito grande nas salas de aula”, afirmou. 

Inspirou investigação

A música composta por Estevão de Andrade foi uma das inspirações para o Ministério Público do Amazonas (MP-AM) investigar a corrupção em Iranduba, que resultou na prisão de diversos membros do alto escalão da Prefeitura do município, entre eles do prefeito Xinaik Medeiros (PTB).