Publicidade
Cotidiano
EXERCÍCIOS

Saiba as principais diferenças entre as atividades de musculação e pilates

Embora ambos trabalhem estimulando a musculatura, cada qual tem sua peculiaridade e, principalmente, trazem resultados diferentes. Confira as dicas 21/01/2018 às 14:44
Show pilates
No pilates, os exercícios dão enfâse a diferentes grupos musculares simultaneamente (Foto: Evandro Seixas)
Juan Gabriel Manaus (AM)

A busca pelo corpo dos sonhos inevitavelmente cruza por um caminho em comum: escolher qual atividade fazer para alcançar o objetivo. Diante do leque de opções que o mercado fitness oferece, duas delas se destacam entre as principais alternativas e frequentemente trazem dúvidas para aqueles que desejam desenvolver a massa muscular. De um lado, a musculação; do outro, o pilates. Embora ambos trabalhem estimulando a musculatura, cada qual tem sua peculiaridade e, principalmente, trazem resultados diferentes.

Opção mais recorrente, a musculação se destaca pela sua versatilidade. O principal foco de quem busca a atividade como opção costuma ser o ganho de massa muscular e o emagrecimento.  Já o pilates é uma prática oriunda da fisioterapia, difundida por Joseph Pilates desde a década de 1920 e trabalha não só a musculatura, mas também postura e respiração.

Mesmo não utilizando pesos como a musculação, o trabalho muscular feito no pilates é graças a combinações de movimentos utilizando molas, elásticos e o peso do próprio corpo.

“Os dois tipos de exercícios são excelentes para trabalhar a musculatura do corpo, mas a abordagem e a proposta de cada um deles é muito diferente”, destaca o educador físico Douglas Paiva, que aponta alguns pontos que diferem a musculação do pilates. “(A musculação) traz benefícios também para retardar o envelhecimento dos músculos, mas como é um exercício de maior impacto, há mais chances de lesões”, diz Paiva.

Grupo musculares

Em contrapartida, a musculação costuma ser indicada também para quem busca se recuperar de determinados problemas de saúde como a osteoporose, diabetes e a hipertensão. Outro ponto que difere as duas modalidades é que a musculação proporciona o trabalho específico de um grupo muscular, enquanto o pilates trabalha diferentes grupos simultaneamente. 

O principal ponto a ser levado em conta antes de escolher qual atividade seguir é o resultado que se busca. Segunda a fisioterapeuta e instrutora de pilates Roberta Cosso, o pilates até pode proporcionar um ganho de massa, mas isso é algo que varia de aluno para aluno e está longe de ser o foco da prática. “Massa muscular é academia, essa é uma grande diferença por que o ganho de massa é lá. Eu não posso chegar pro aluno e dizer que ele vai ganhar massa, ele pode até ganhar, mas é muito relativo. O pilates tonifica mais a musculatura, ele trabalha mais a definição”, diz Cosso.

A prática promove melhora na flexibilidade, além de auxiliar no cuidado de doenças patológicas. Atletas de alto rendimento também podem encontrar na modalidade um ótimo aliado para a prevenção de lesões.

Embora se diferenciem, Cosso destaca que as atividades se complementam e que o ideal é conseguir conciliar ambas, sempre em dias alternados. “Tem como conciliar musculação e pilates, os dois juntos trazem muitos benefícios”, destaca Cosso.