Publicidade
Cotidiano
COMO LIDAR?

Saiba como equilibrar a alimentação das crianças com base em cinco pilares

Para o PhD em química Dr. Degivaldo Bezerra, balancear a alimentação é fundamental para evitar desconfortos 08/10/2017 às 17:07
Show 14
(Foto: Reprodução/Internet)
Mayrlla Motta Manaus (AM)

“Uma flora intestinal funcionalmente adequada evidencia uma boa saúde”. No caso das crianças, o desequilíbrio dela ocasiona diversas reações tanto físicas quanto emocionais, segundo o Dr. Degivaldo Bezerra. Justamente para evitar tais desconfortos, balancear a alimentação é fundamental. 

De acordo com o PhD em química pela Universidade da Inglaterra, não dá para construir um corpo e mente saudável apenas comendo um tipo de alimento. “Como, por exemplo, aqueles ricos em energia, mas pobres em proteínas. Então temos sempre que se lembrar de cinco  pilares onde se estriba a vida, que são: sais minerais, proteínas, energia, água e ar”, explicou. 

Para promover uma mudança no cardápio dos pequenos  é essencial que os pais retirem as ‘besteiras’. “A primeira coisa a ser evitada são os refrigerantes. Depois  margarinas e suas comidas, que não podemos chamar de comidas e sim de snacks, de pacotes”, disse. É importante lembramos que não basta apenas a alimentação dos filhos. “A educação se faz pelo exemplo”, empodera.  

E quando conseguimos estabelecer uma alimentação saudável é possível desenvolver uma flora bacteriana intestinal adequada? Bezerra responde que sim. “O interesse é desenvolver uma flora funcionalmente correta ou podemos dizer adequada, que evidencia uma boa saúde ao seu portador”. 

Sinais de desequilíbrio

Quando a flora da criança está desequilibrada, ela começa a apresentar alguns sinais. Entre eles: irritabilidade, baixo rendimento escolar, hiperatividade, baixa atenção, menos que duas evacuações diárias,  falta de apetite, dificuldade de dormir cedo e entre outras. 

Além de incluir frutas, verduras e outros alimentos saudáveis no cardápio, a suplementação também é indicada bem como probióticos. “Eles são uma necessidade. E é bom lembrar que a criança aos quatro meses de idade já recebe uma suplementação de ferro. Então porque não precisaria de uma suplementação o resto da vida? O bezerro não cresce bem sem sais minerais. A criança também não. Quanto aos probióticos, eles são uma forma importante de influenciar ou mesmo formar essa microbiota”, pondera. 

A alimentação infantil

 A alimentação infantil ainda é uma das etapas da vida mais difíceis para os pais e, claro, para as crianças. Nesta fase, é preciso ter muito jogo de cintura para que os pequenos possam consumir todos os nutrientes e vitaminas necessários para um bom crescimento e desenvolvimento.  Mas tal ‘missão’ é cercada de muita dor de cabeça, pois nem sempre os filhos querem consumir alimentos saudáveis e a hora da refeição torna-se uma verdadeira guerra.

 Segundo o nutricionista Bruno Pelogia, da Clínica Caroline Frota, o primeiro passo é entender o contexto no qual os pais ou responsáveis administram e o quanto dão importância para a alimentação de seus filhos. “Como diz o ditado: ‘Educação vem de casa’. Esta frase também se aplica no que diz respeito a alimentação das crianças. Devemos ter consciência de que somos responsáveis por aquilo e é óbvio que as opções não nutritivas são mais ‘fáceis’ e atraentes. Mas é inadmissível uma criança, de qualquer idade, ter o poder de decidir o que irá consumir”, frisa.

 Para o nutricionista, o ideal é que as crianças sigam uma dieta balanceada e elaborada por um profissional de nutrição, mantendo uma rotina. “É preciso que elas tenham os horários bem definidos para todas as atividades de um modo geral: acordar, se alimentar, brincar, estudar, tomar banho, dormir. É essencial que a criança saiba o que está consumido e a função de cada alimento”, explica.

 Entre os alimentos que são indispensáveis em uma dieta infantil estão o feijão, uma poderosa fonte de proteína; vegetais e frutos amarelo-alaranjados, como cenoura, abóbora, manga, mamão, pois possuem grande concentração de Vitamina A, além de prevenir a cegueira noturna e auxiliam no desenvolvimento celular; vegetais verde-escuros, como espinafre, brócolis, couve, agrião, que são ricos em Vitamina A, C, ácido fólico, potássio, ajudam na contração muscular e no bom desempenho cerebral. “A ingestão destes nutrientes básicos evita malefícios como atraso no crescimento, falta de concentração e dificuldade de aprendizado”, comenta.

Ferro e zinco

 Apesar dos grandes debates sobre o consumo da carne, Pelogia ressalta que seja ela de boi, frango, suíno ou peixe, elas possuem alto teor de ferro e zinco, prevenindo a anemia e ajudando na formação do sistema nervoso, circulatório e muscular. “Não podemos esquecer dos cereais como aveia, batata-doce, cara, mandioca que são fontes ricas de carboidratos complexos, ótimos para dar energia aos pequenos”, salienta.

Destaque

A microbiota é uma enorme quantidade de bactérias que vivem em harmonia no corpo humano e auxiliam a ação do sistema imune e a nutrição. Fonte: www.cienciahoje.org.br

Obesidade infantil

Por falta de uma alimentação balanceada  o número de crianças obesas tem crescido. Segundo dados de 2014 do Instituto Brasileiro de Geografia  e Estatística (IBGE), 15% das crianças com idade entre cinco e nove anos de idade têm obesidade.

Receita de panqueca de banana

Ingredientes:

2 Bananas;
2 Ovos;
2 Colheres (sopa) de aveia em flocos finos;
Canela em pó à gosto.

Modo de preparo:

Amasse as bananas com um garfo. Em seguida, em uma tigela, misture o ovo com a aveia e a canela em pó. Junte a banana amassada e misture. Em uma frigideira, coloque um pouco de azeite e coloque a massa. Quando estiver soltando do fundo, vire e deixe dourar.