Publicidade
Cotidiano
Notícias

Semmas inicia combate ao caramujo africano em Manaus

A campanha para eliminar os moluscos que podem transmitir meningite foi iniciada no sábado (23) pela Secretária e deve perdurar até junho 25/02/2013 às 09:27
Show 1
Adison Pereira elimina diariamente os moluscos de sua casa, receoso que possam transmitir doenças à sua família
Luana Gomes ---

Imagine abrir a porta de sua residência e encontrar todo dia uma gama de caramujos africanos rondando a casa. Com o período de chuvas, esta costuma ser a rotina do fiscal executivo, Adison Pereira, 30 anos, que mora no Santa Etevilna. Neste fim de semana, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) iniciou no bairro a Campanha de Combate ao molusco, que perdura até início de junho.

Residente na rua Marinho Tavares, Pereira comentou que todas as manhãs enche sacolas de supermercado com a praga, oriunda do sudeste da África. Pai de duas crianças, uma de oito e outra de seis, ele precisa estar atento ao animal que é responsável por transmitir a Meningite Encefálica. “Todo ano eles aparecem nesta redondeza. Entretanto, não me lembro da prefeitura ter aparecido por aqui. Sei como coletar porque acompanho as campanhas na televisão”, reclamou.

O sub-secretário da Semmas, Francimar Mamed, salientou que a função do órgão não é recolher o animal, mas realizar a orientação, ensinar os passos para que a comunidade seja “parte da solução”, fazendo a coleta e destruindo o animal. A primeira lição é diferenciar o caramujo africano do caramujo nativo. O primeiro tem uma forma cônica de coloração marrom claro com tons escuros, enquanto o segundo tem forma arredondada no tom de café.

O coordenador do Programa de Combate, Murilo Cirino, disse que, até o final desta semana, todas as residências do bairro receberão a visita de uma das equipes de orientação da Secretaria. São cinco equipes com seis pessoas cada.

Conforme levantamento da Secretaria, no Santa Etelvina foram registrados, entre janeiro e os primeiros dias de fevereiro, quinze denúncias de focos de caramujos.

Entulhos

De acordo com Cirino, locais úmidos e escuros, com grande concentração de entulhos, restos de construção e lixo costumam ser os ambientes mais propícios para a proliferação do animal exótico. No bairro, quase todos os moradores tem o costume de colocar entulhos na frente de sua residência. Segundo eles, a pedido da própria prefeitura.

O coordenador explicou que, em dias de Mutirão de Limpeza, há uma solicitação que todo o lixo e entulho esteja a disposição para recolhimento. Contudo, os moradores acabam fazendo desta uma prática, facilitando o acesso de animais responsáveis por doença, como o molusco. “Não é para o morador colocar entulho na frente da casa dele, somente nos dias de mutirão”, pontuou.

Após a execução das atividades no Santa Etelvina, as equipes devem seguir rumo a Colônia Terra Nova, que também foi alvo de inúmeras ocorrências.