Publicidade
Cotidiano
Notícias

Semsa faz acompanhamento individual e para pacientes com suspeita de Zika Vírus

O objetivo é evitar uma epidemia da doença, com foco na prevenção em grávidas uma vez que o Zika pode  estar relacionada à microcefalia nos bebês 27/01/2016 às 15:34
Show 1
Até o dia 24 de janeiro, segundo Boletim Epidemiológico da Semsa, foram registrados 211 casos suspeitos de Zika Vírus em Manaus
acritica.com* Manaus (AM)

Um protocolo de atendimento e acompanhamento dos casos suspeitos de Zika Vírus em Manaus, doença transmitida pelo Aedes aegypti, foi estabelecido pela Secretaria Municipal de Saúde. Mesmo sem a confirmação da doença, cada caso está sendo acompanhado individualmente pelos profissionais de saúde.

O objetivo é evitar uma epidemia da doença, com foco na prevenção em grávidas uma vez que o Zika pode  estar relacionada à microcefalia nos bebês, uma malformação congênita em que o cérebro da criança não se desenvolve de maneira adequada.

A secretária da Semsa, em exercício, Lucilene Bezerra, explica que foram estabelecidos fluxos de atendimento específicos para os casos de notificação de Zika Vírus, agilizando todos os procedimentos necessários na prevenção de complicações da doença, para o diagnóstico laboratorial em tempo hábil e para a execução das ações de vigilância e investigação epidemiológica.

“A meta é permitir que o paciente, principalmente mulheres grávidas, receba atendimento médico e laboratorial o mais rápido possível, além de possibilitar o início imediato das ações dos agentes de endemias na eliminação de focos do mosquito na área onde o caso foi notificado”, ressaltou.

De acordo com o fluxograma, as gestantes que forem atendidas nas Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs) ou em Unidades Básicas de Saúde (UBSs), e que apresentarem sintomas para a doença, serão encaminhadas de forma imediata para uma das 15 unidades de referência distribuídas nos Distritos de Saúde Sul, Leste, Oeste e Norte, para atendimento com um médico obstetra.

Logo após o primeiro atendimento médico em qualquer Unidade Básica de Saúde ou nas unidades da rede privada, o profissional de saúde deve realizar de forma imediata a notificação do caso ao Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), que inicia os procedimentos para investigação epidemiológica e bloqueio mecânico/químico, que consiste na eliminação de locais criadouros do mosquito Aedes num raio de 300 metros em torno do local onde houve registro de casos suspeitos, associados à aplicação de inseticida para eliminação do mosquito Aedes aegypti na fase alada.

“A Vigilância também realiza a investigação de cada caso notificado com uma equipe de profissionais que acompanha o paciente em sua residência para verificar o fluxo de atendimento e os possíveis riscos existentes”, informa a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae) da Semsa, Angélica Tavares. Para a realização dos exames laboratoriais, quando necessário, os profissionais do Devae buscam o paciente em sua residência para que realize a coleta de material.

No caso de mulheres grávidas atendidas nas UBSs com sintomas de Zika Vírus, além da notificação, a investigação e o bloqueio químico e mecânico, os procedimentos são mais específicos. Após o primeiro atendimento, o profissional de saúde deve agendar por telefone, diretamente com o diretor de uma das 15 UBSs de referência, uma consulta com médico obstetra, de preferência para o dia seguinte, quando deverão ser solicitados os exames específicos como a ultrassonografia.

“As UBSs de referência devem manter o monitoramento da gestante durante toda a gravidez, até ser descartada ou confirmada a suspeita de microcefalia ou outras complicações. Quando não há confirmação, a paciente deve retornar a UBS do primeiro atendimento para continuar o pré-natal normalmente. No caso de suspeita da doença permanecer, a paciente continua sendo acompanhada pelo profissional especialista até próximo do final da gestação e em seguida é encaminhada para um ambulatório de alto risco para continuar o tratamento”, explica Angélica Tavares.

Descentralização

Para garantir a rapidez no fluxo de atendimento de todos os pacientes, o trabalho de acompanhamento é descentralizado junto aos Distritos de Saúde Sul, Leste, Oeste, Norte e Rural, que contam com equipes próprias de Atenção e Vigilância em Saúde, além dos quatro laboratórios distritais, monitorando os casos suspeitos de forma mais próxima do local de moradia do paciente.

A auxiliar de serviços gerais Josiane Pereira, de 30 anos, moradora do bairro Morro da Liberdade (zona Sul), é uma das pacientes grávidas que passou a ser atendida dentro do novo fluxo depois de ser notificada com suspeita para Zika Vírus. Depois de procurar a UBS Santa Luzia apresentando febre, foi encaminhada para atendimento com médico obstetra na UBS Lúcio Flávio de Vasconcelos Dias, no bairro Betânia. No dia seguinte à consulta obstétrica, a direção da UBS levou a paciente ao Laboratório Distrital Sul para realizar os exames de sorologia, encaminhando no mesmo dia para a realização da ultrassonografia.

“Também realizei exames como o de malária, tentando descartar outras doenças, e já tenho agendada consulta para a próxima sexta-feira, dia 29, com médico clínico geral. Agora estou esperando o resultado final dos exames”, informa a paciente.

A técnica responsável pelo programa de Saúde da Mulher no Distrito de Saúde Sul (Disa Sul), enfermeira Lucia Marques de Freitas, informa que os profissionais foram todos orientados para acolher as gestantes e fazer o encaminhamento necessário.

“O trabalho está sendo realizado de forma padronizada e sem burocracia, com prioridade absoluta, para que seja feito o monitoramento do seguimento do acompanhamento médico e não haja dificuldade de acesso ao atendimento e aos exames, principalmente quando identificado alto risco para a paciente. O acompanhamento do caso só será fechado depois do parto”, informa Lúcia Freitas.

Casos

Até o dia 24 de janeiro, segundo Boletim Epidemiológico da Semsa, foram registrados 211 casos suspeitos de Zika Vírus em Manaus. Desse total, seis foram confirmados, nenhum em gestantes, 17 foram descartados e 188 permanecem em investigação. Entre os que permanecem sob investigação, 24 são gestantes.

*Com informações da assessoria de imprensa