Publicidade
Cotidiano
Notícias

Situação econômica do Brasil corre risco de recessão técnica

Com PIB negativo no primeiro semestre deste ano, Brasil apresenta risco de crise econômica, mas está longe de ‘quebrar’ 02/09/2014 às 09:15
Show 1
Para economista Erivaldo Lopes, momento não é para desespero, mas medidas urgentes precisam ser tomadas
Mônica Dias ---

Na última terça-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a economia brasileira teve o Produto Interno Bruto (PIB) negativo em dois trimestres seguidos (-0,2% e -0,6%, respectivamente). Em outras palavras, de janeiro até junho, o Brasil produziu menos riquezas que no mesmo período do ano passado e entrou na tal recessão técnica.

Este termo, que tem aparecido constantemente em várias notícias relacionadas à economia, é uma espécie de alerta que mostra, a partir de indicadores como o PIB, que a situação econômica do Brasil pode ficar muito ruim, incentivando medidas urgentes para evitar uma situação mais crítica, como explica o economista Erivaldo Lopes, do Conselho Regional de Economia .

“Recessão é crise, significa que a economia parou no tempo. O Brasil ainda não está assim. Essa recessão que estamos vivendo não é aquela ‘braba’ com um efeito catastrófico que vai detonando empregos, famílias, empresas, etc. Ela é chamada técnica justamente porque não está causando tanto transtorno. Ainda tem gente trabalhando, o dinheiro ainda está circulando, mas os indicadores não apresentam resultado positivo. Temos um PIB muito baixo e investimentos muito baixos”, explica o economista.

A última vez que o Brasil registrou uma recessão técnica foi no último trimestre de 2008 e no primeiro de 2009, reflexo da crise internacional. Na época, a economia registrou recuos de 4,2% e de 1,7%, respectivamente, na comparação com o trimestre anterior. Apesar de mais forte, ela foi rápida e no segundo trimestre de 2009, o PIB já crescia 1,9%.

Para o conselheiro, esta recessão, no entanto, deve demorar mais para fraquejar. “Acredito que, até meados de 2015, nós ainda não teremos tanta evolução no crescimento econômico. Os empresários estão produzindo pouco e investindo pouco. Estou bem pessimista e acho que vamos continuar nos arrastando. Quem ganhar esta eleição vai ter muito trabalho a fazer”.

Amazonas

Felizmente, para os amazonenses, a situação no Estado será mais branda que no resto do Brasil. Segundo Erivaldo, a prorrogação da Zona Franca incentiva o investimento e a abertura de novas empresas. “É um território mais confiável. Eles pensam: isso nunca vai acabar”.