Publicidade
Cotidiano
Notícias

SMTU faz proposta de reabertura de ruas no Centro de Manaus após apelo dos lojistas

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos apresentou uma proposta a Associação Comercial do Amazonas para reabertura de trechos de ruas no Centro de Manaus que agradou aos lojistas. No entanto, para ser concretizada, ainda depende o aval da Defesa Civil do município 16/07/2012 às 20:38
Show 1
Águas não cobrem mais as pistas de vias importantes do Centro, que continuam fechadas à espera de laudo técnico
BRUNO STRAHM Manaus

A Associação Comercial do Amazonas (ACA), recebeu uma proposta da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) nesta segunda-feira (16), sobre a reabertura de alguns trechos de ruas no Centro de Manaus, de acordo com o presidente da ACA, Ismael Bichara. A assessoria da SMTU disse que a proposta ainda necessita de um aval da Defesa Civil do Município para ser concretizada. O comércio das ruas interditadas por causa da cheia histórica do rio Negro neste ano, sofreu queda no volume de vendas, que chegou 90% segundo a última estatística da própria ACA.

“No dia 11 deste mês fizemos uma reunião com o presidente do Implurb, Manoel Ribeiro; com o diretor-presidente do Manaustrans, Walter Cruz; o secretário do SMTU, Wesley Aguiar e mais vinte e quatro representantes de entidades comerciais da cidade, onde expomos a eles que com as mudanças no trânsito do centro, houve sete mil quinhentas e dezenove demissões de janeiro a junho. Somente no mês passado as lojas do centro demitiram mil quinhentos e quatro funcionários. São dados do próprio sindicato dos empregados", diz Ismael Bicharra, presidente da entidade.

A intenção, segundo Bicharra, era sensibilizar os órgãos competentes do trânsito em reabrir ao menos algumas ruas para que as vendas do comércio parassem de cair devido ao pouco movimento, e consequentemente, acabar com as frequentes demissões.

Os lojistas da área acharam que com a vazante, tudo voltaria ao normal. No entanto, o Implurb e demais órgãos avisaram que iriam desativar o terminal de ônibus do porto e alguns trechos de ruas do Centro, que passaria a ficar interditado para o trânsito de carros e veículos do transporte coletivo.

“Para nossa felicidade, eles entenderam a nossa situação. O secretário Wesley Aguiar nos entregou um plano B, onde algumas ruas do Centro serão reabertas quase como anteriormente. Em alguns pontos os ônibus voltarão a circular na área, ainda que não parem mais nos mesmos lugares”, conclui Bicharra.

De acordo com o ACA, o Centro da cidade conta, atualmente, com 288 empresas. Segundo Bichara, essa é a área de “metro quadrado” da cidade que mais arrecada dinheiro para os governos estadual e federal.