Publicidade
Cotidiano
Notícias

SSP quer acordo com FBI para oferecer cursos a policiais

Entrevista e interrogatório; Preservação de local de crime; Técnicas básicas de investigação criminal; Investigação de homicídios; e Investigação de crime organizado serão os primeiros cinco cursos oferecidos no convênio de cooperação. 31/07/2012 às 16:52
Show 1
Durante a reunião puderam conhecer cinco cursos do FBI
acritica.com* Manaus

A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP) recebeu hoje comitiva da Embaixada dos Estados Unidos, por meio da agência Narcóticos, Justiça e Segurança (NAS), para conhecer detalhes de cinco cursos do FBI (Federal Bureau of Investigation) que podem ser oferecidos para os policiais do Estado ainda neste ano e em 2013, e faz parte do programa Controle do Crime Urbano, da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), iniciado em 2008.

Entrevista e interrogatório; Preservação de local de crime; Técnicas básicas de investigação criminal; Investigação de homicídios; e Investigação de crime organizado serão os primeiros cinco cursos oferecidos no convênio de cooperação, com 40 vagas em cada um e duração de cinco dias. Além dos cursos, o FBI vai realizar um seminário com o tema Identificação de dinheiro falso para 200 policiais.

O Amazonas é um dos quatro estados escolhidos para o projeto-piloto, ao lado de Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo, e que estão recebendo a comitiva da embaixada formada pelo diretor da NAS, Matt Sandelands; responsável pelo programa da Senasp, Débora Arrais; e consultor da NAS, Patrick Healy.

Os cursos seguirão as necessidades e características da segurança de cada região, conforme explicou o coronel Vital, secretario de Segurança Pública. “Além da troca cultural com os norte-americanos, os cursos vão servir para compartilharmos experiências do FBI na capacitação e qualificação dos nossos policiais, melhorando a eficiência contra o crime”.

Vital enfatizou a importância da participação dos policiais nos cursos para depois funcionarem como multiplicadores do conhecimento em suas instituições. “Conhecimento que apenas se armazena acaba se tornando inútil. Agentes multiplicadores são fundamentais, e essa vai ser oportunidade muito boa para absorver  ensinamentos de entidade reconhecidamente mundialmente, como é o FBI”, afirmou.


*Com informações de assessoria