Publicidade
Cotidiano
Notícias

Suspenso agendamento de castração de animais por telefone

Cancelamento foi em decorrência do não comparecimento das pessoas nos dias marcados para levar o animal à cirurgia. Entretanto, a medida pode aumentar o número de animais abandonados 07/09/2012 às 11:35
Show 1
A dificuldade em agendar as cirurgias de castração pode aumentar o número de animais abandonados
Naférson Cruz ---

Desde o inicio do ano, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), órgão ligado à Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), deixou de agendar, por meio do telefone, as castrações de animais domésticos, como cães e gatos.

A medida pode contribuir para o aumento no número de animais abandonados na capital, em razão da distância que os moradores precisam enfrentar para levar o animal de estimação até o Centro de Zoonoses, que está localizado no bairro da Compensa, Zona Oeste.

Isso porque, quanto mais animais deixarem de ser castrados, maior a probabilidade de eles procriarem, aumentando a população de cães e gatos ‘de rua’. No ano passado, foram resgatados, em Manaus, aproximadamente 80 mil animais em ruas, casas e terrenos baldios.

Para a moradora da rua 8, no conjunto Rio Maracanã, no bairro de Flores, Zona Centro-Sul, a doméstica Luciana Amaral, 28, que tem dois cães em casa, a medida trará dificuldades. “Assim fica difícil, não podemos mais antecipar a ida ao Centro de Zoonoses. Só falta a gente chegar lá e se deparar com uma quantidade enorme de pessoas na fila, sem saber se terá atendimento ou não”, comentou.

Canceladas

O diretor do CCZ, Francisco Zardo de Oliveira, disse que o cancelamento do agendamento de castrações, que era feito por telefone, ocorreu porque as pessoas não compareciam ao local, no dia marcado para os procedimentos.

“Perdíamos bastante tempo preparando a equipe para fazer os procedimentos na data e horário marcados e a pessoa não comparecia, muito menos ligava para desmarcar o atendimento”, contou.

Francisco Zardo negou a informação de que o Centro de Zoonose só possui vagas para novos agendamentos a partir de abril de 2013. “Essa informação não procede, o que fizemos foi dar mais agilidade ao processo de atendimento”, ressalta.

O diretor informou que, atualmente, o atendimento consiste no preenchimento de um cadastro. Em seguida, o dono do animal recebe um protocolo constando a data e horário marcado para o procedimento.

De acordo com CCZ, por dia, são feitas, em média, 24 castrações. O procedimento, segundo Francisco Zardo, dura até dois dias.

Além da castração, o órgão mantém a campanha de prevenção antirrábica, que se estende até o dia 3 de outubro.

A raiva é uma doença transmitida principalmente por cães, gatos e morcegos que, quando acomete o homem, pode ser letal.

Vacinação antirrábica no AM

No interior do Amazonas, ao menos dez municípios concluíram a campanha de vacinação antirrábica: Autazes, Boa Vista do Ramos, Codajás, Eirunepé, Fonte Boa, Humaitá, Ipixuna, Iranduba, Santa Izabel do Rio Negro e Silves.

Segundo o Diário Oficial do Estado do Amazonas (DOE), mais de R$ 570 mil foram destinados à campanha em 35 municípios.

De acordo com o coordenador em exercício da gerência de zoonose da Fundação de Vigilância Sanitária do Amazonas (FVS), Normélio Reinehr, a  população de cães e gatos em todo o Estado é de 518,3 mil, destes, 103,7 mil de municípios do interior do Amazonas já foram vacinados. Em Manaus, até a última semana, 30 mil animais, entre cães e gatos tinham sido vacinados na rede pública.

 300 mil             

É o número de animais domésticos (cachorros e gatos) existentes em Manaus, atualmente.  De acordo com informações divulgadas pelo Centro de Controle de Zoonoses, a campanha de vacinação antirrábica realizada em Manaus está custando R$ 2 milhões aos cofres públicos.