Publicidade
Cotidiano
Notícias

Televisão no smartphone é sucesso entre consumidores amazonenses

Pesquisas da Motorola Mobility e da Ericsson apontam que cada vez mais consumidores brasileiros assistem  sua programação favorita por meio de celulares, laptops e tablets 01/09/2012 às 13:18
Show 1
Cléia Farias aproveita momentos de descanso e também as horas de trabalho para ‘espiar’ a programação da TV
Priscila Mesquita ---

 Enquanto faz uma escova em uma cliente no salão, a cabeleireira Cléia Farias fica com um olho no secador e outro na telinha do celular para acompanhar as novelas da tarde. O hábito diário iniciou no ano passado, quando ela ganhou um celular “ching ling” que veio com um sintonizador para sinal analógico de TV.

A maneira que Cléia encontrou para acompanhar seus programas favoritos é uma tendência constatada pela terceira edição da pesquisa “Barômetro de Engajamento de Mídia”, conduzida pela Motorola Mobility junto a 9 mil consumidores, em 16 países.

O estudo apontou que os brasileiros são os consumidores que mais usam dispositivos móveis (PC, smartphone ou laptop) para ver TV na América Latina. Depois de ouvir usuários do Brasil, da Argentina e do México, a agência Vanson Bourne, contratada pela Motorola, percebeu que 34% dos entrevistados em território tupiniquim mantêm o hábito de ver televisão de forma remota. Na Argentina, o porcentual é de 25%; no México, de 19%; e, no mundo, o índice equivale a 37%.

 De acordo com a pesquisa, o aparelho móvel mais utilizado no Brasil para assistir à TV é o laptop, que foi a resposta dada por aproximadamente 60% dos entrevistados. Em segundo lugar ficou o smartphone, mas a Motorola não divulgou a participação desse equipamento no acesso à televisão.

Para o gerente de produtos da  Motorola Mobility Brasil, Amauri Sousa, o hábito de assistir à TV por meio de aparelhos móveis se consolidou como resultado de dois fatores. “Acreditamos que o crescente número de opções de dispositivos móveis com receptor para TV aberta e a queda nos preços dos mesmos sejam os fatores que mais contribuíram”, avalia o executivo.

Amauri ressalta, ainda, que o estudo demonstrou uma alta demanda para o crescimento da “TV social” no País, conceito que surge da interação existente no uso das redes sociais e da televisão. “O estudo reforça a questão de que as redes sociais mudaram a experiência de ver televisão. Segundo o levantamento, os brasileiros gastam seis horas por dia em redes sociais. Desses, 43% já usaram as mídias sociais para recomendar um programa a outra pessoa”, comenta.