Publicidade
Cotidiano
Notícias

Testemunhas dizem que Bombeiros não tinham água para apagar incêndio em Manaus

O prejuízo pode chegar a meio milhão de reais, segundo comerciantes. O incêndio ocorreu em um estabelecimento comercial no Centro da cidade  22/09/2012 às 17:09
Show 1
Incêndio no Centro de Manaus
Bruna Souza Manaus

Um incêndio de grandes proporções destruiu um galpão onde fica localizada a ND Distribuidora, na rua Miranda Leão, próximo ao Mercado Adolpho Lisboa, na Manaus Moderna . O incêndio começou por volta das primeiras horas deste sábado, 22.

Os prejuízos podem chegar a meio milhão de reais, em mercadorias como papel, fraldas descartáveis, mamadeiras, produtos para casa e estivas em geral.

Segundo os moradores do local, o fogo teria começado em um curto-circuito na placa da distribuidora. “Começou na madrugada e fui acordado pelos vizinhos que me tiraram do prédio no meio da fumaça”, relatou o aposentado Ney Bezerra Bento, 55.

Testemunhas procuraram a equipe de reportagem do acrítica.com, denunciando a atuação do Corpo de bombeiros. As informações são de que o carro da corporação, não tinha água para apagar os focos do incêndio.

Sem água

Para o comerciante e proprietário da loja Sabiá Cosméticos, situada ao lado do prédio incendiado, Ruy Valente, 33, o fogo a princípio estava apenas no andar inferior e quatro bombeiros atendiam a ocorrência por volta de 1h. Só depois de 45 minutos é que o carro chegou com água.

“O incêndio era controlável, mas só tinha quatro bombeiros e sem água no carro, quando chegaram o fogo já havia atingido o segundo andar do prédio”, disse o comerciante.

Outras pessoas que estavam no local denunciaram que a escada do carro dos bombeiros estava com a máquina elétrica em manutenção e por isso, tiveram que utilizar a escada da Eletrobras Amazonas Energia.

Bombeiros

O capitão Erick do Corpo de Bombeiros falou que o combate ao fogo foi realizado desde as primeiras horas e também afirmou que a viatura de incêndio não anda sem água.

“Os bombeiros estão trabalhando desde as primeiras horas, nenhuma viatura de incêndio anda sem água, correndo o risco de capotar se estiver vazia ou pela metade. O prédio possui duas lajes que estão danificadas pela alta temperatura e por conta do material que retém líquido, se jogarmos água corre o risco de termos outro acidente, como um desabamento”, afirmou.

Questionado quanto à escada, o capitão disse que não podia afirmar a falta ou a manutenção do equipamento, mas que precisam do apoio da Amazonas Energia em casos de incêndios porque o desligamento da rede elétrica da área se faz necessário, para a segurança dos bombeiros e da população.