Publicidade
Cotidiano
Notícias

TJAM firma acordo para destino correto de óleo lubrificante

O acordo foi assinado com a empresa Eternal-industria  que ficará responsãvel em dar um destino correto ao óleo lubrificante usado e descartado pelos 67 veículos da frota do tribunal 27/07/2012 às 14:55
Show 1
Na assinatura do acordo o eng. químico Tolotti Chaves, o gerente da Eternal, Jayme Chaves; Presidente do TJAM, Ari Moutinho, o Vice Luiz Wilson Barroso e o juiz da Vara do Meio Ambiente Adalberto Carim
acritica.com ---

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) assinou na manhã desta sexta-feira acordo de cooperação técnica com a empresa Eternal-Indústria, Comércio, Serviço e Tratamento de Resíduos da Amazônia Ltda, para o descarte correto de óleo lubrificante dos 67 veículos que fazem parte da frota do órgão.

Com a iniciativa, o TJAM é um dos primeiros Tribunais de Justiça do Brasil e o primeiro da região Norte a dar uma destinação ecologicamente correta ao resíduo.

Na avaliação do desembargador presidente Ari Moutinho da Costa, a parceria é de suma importância e a reciclagem do óleo consumido na frota será de grande contribuição para a preservação do meio ambiente. “O TJAM vai servir de exemplo para outras instituições e temos o dever de zelar pelo nosso maior patrimônio”, declara.

De acordo com o gerente da Eternal, Jayme Martins Chaves, cada litro de óleo queimado polui um milhão de litros d'água, que gera uma película e sufoca a flora e fauna dos rios. Segundo ele, Manaus gera 1,5 milhão de litros de óleo queimado por mês. No interior do Amazonas, a  empresa realiza a coleta em 93 pontos e recolhe cerca de 70% do resíduo gerado, enquanto na capital, a coleta não atinge 20%. “O TJAM está dando um passo extremamente importante e espero que os outros o sigam”, afirma Chaves.

A parceria não gera ônus para o Tribunal e permitirá a coleta de mais de 200 litros de óleo por mês, que serão armazenados em recipientes adequados e depois refinados pa ra uma nova utilização, evitando uma série de problemas pelo descarte indevido de óleo no meio ambiente.

Segundo o juiz auxiliar da presidência do Tribunal, Adalberto Carim Antonio, quando descartado de forma errada o óleo contamina o solo, o lençol freático, animais e interfere na cadeia alimentar em um processo de contaminação passado de um organismo para outro.

Pelo acordo, com duração de um ano, prorrogável por mais 60 meses, o TJAM receberá o Certificado de Coleta de Resíduo, Certificado de Destinação Final e Cautela de Coleta de Resíduo, chancelada pelo Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama).

O magistrado destaca que estes documentos provarão que o TJAM tem uma conduta correta e que esta iniciativa é importante e pode servir de exemplo para outros órgãos: “É um passo bastante ousado, algo que a maior parte dos órgãos públicos ainda não implementou. Por ser um órgão que demanda muito dos recursos naturais, mesmo com a virtualização dos processos, o Tribunal tem a obrigação de racionalizar seu uso”.

Com informações da assessoria de imprensa do TJAM