Publicidade
Cotidiano
Notícias

Toneladas de ‘Santinhos’ nas ruas prolongam trabalho de agentes de limpeza do Amazonas

Acúmulo de sujeita se dá principalmente nas zonas Norte e Leste, Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) 10/10/2012 às 09:59
Show 1
Sujeira de propaganda irregular na avenida Itaúba, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste, no dia da eleição; Zonas Leste e Norte são as que mais concentram santinhos
Florêncio Mesquita ---

Mais de 22 toneladas de lixo geradas pela propaganda política irregular no último domingo foram retiradas das ruas de Manaus até a tarde desta terça-feira (09. E o trabalho de 400 agentes de limpeza pública da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semuslp) ainda teve que ser intensificado, principalmente nas Zonas Leste e Norte, ontem, durante todo o dia, mas teve que ser estendido também durante a noite.

No dia seguinte à eleição, a  Semulsp havia retirado 15 toneladas de lixo, principalmente de “santinhos”, em várias zonas da cidade. No entanto, as áreas que mais registraram o descarte de material de propaganda irregular foram às Zonas Norte e Leste.

Apesar de ser proibida a boca de urna, a distribuição de santinhos e materiais com a imagem e o número de candidatos ainda foi bastante realizada no dia eleição. Muitos eleitores manauenses questionaram a aplicação de punição para os candidatos cujos materiais foram encontrados nas ruas no domingo e que permaneciam sujando as vias até ontem.

Exemplo

No município de Unaí, no noroeste de Minas Gerais, por exemplo, a Justiça Eleitoral puniu o candidato a vereador Vanderlei Ribeiro Alves Pereira, do PHS, flagrado fazendo boca de urna, a varrer as ruas onde os santinhos dele foram jogados. Munido de uma vassoura, o candidato varreu a rua monitorado por policiais militares e o caso ganhou repercussão nacional. No entanto, o exemplo não serviu para a Justiça Eleitoral do Amazonas fazer o mesmo com os candidatos da cidade. Apesar da sujeira na rua de Unaí, o candidato Vanderlei não foi eleito.

A limpeza da capital amazonense foi pedida à Semulsp pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), desembargador Flávio Pascarelli, e começou no domingo desde às 18h30. Inicialmente, na retirada do material de boca de urna das ruas da cidade foi empregada uma equipe de 200 garis. Na segunda-feira, a equipe ganhou o reforço de mais 200 agentes de limpeza.  

Em muitas ruas, os santinhos estavam aglomerados próximos a bueiros, córregos e igarapés. A sujeira feita por quem deveria dar exemplo na gestão municipal poderia entupir bueiros e prejudicar a cidade.

Para a doméstica Lindalva Muniz, 40, o dia da eleição não é somente associado a democracia, mas ao lixo nas ruas. “Todo ano de eleição é a mesma coisa. A situação é pior perto das escolas, porque é nelas que as pessoas votam. Os funcionários dos candidatos passam jogando aos montes os santinhos e ninguém faz nada”.