Publicidade
Cotidiano
Notícias

Tragédia em jogo do Corinthians: "Meu irmão é inocente!" afirma irmão de amazonense preso na Bolívia

O amazonense Cleuter Barreto Barros foi indiciado por homicídio culposo pela morte de um jovem torcedor do time San Jose, em partida contra o Corinthians pela Libertadores na Bolívia 28/02/2013 às 14:03
Show 1
Grupo de brasileiros durante a audiência onde foi decretada sua prisão preventiva
Bruno Strahm Manaus (AM)

O amazonense Cleuter Barreto Barros é um dos 12 corinthianos presos na cadeia da cidade de Oruro, na Bolívia. Ele e outro jovem torcedor do timão chamado Leandro da Silva de Oliveira, foram acusados de homicídio culposo pela morte do jovem Kevín Beltran Espada, morto ao ser atingido por um sinalizador durante o jogo do Corinthians e San Jose, na última quarta-feira (20).

Por telefone, o irmão de Cleuter, Carlos Augusto Barreto confirmou a prisão de Cleuter e diz que a família está tentando se organizar para viajar à Bolívia. “Não estamos recebendo ajuda nenhuma do governo, vamos ver aqui”, comentou Carlos. Ele também confirmou que o irmão estava passando uma temporada em São Paulo, para acompanhar o time do coração de perto e conhecer melhor a Gaviões da Fiel.

Carlos Barreto acredita na inocência de Cleuter. “É claro que meu irmão é inocente! A família está muito abalada com esta história”, lamentou.


Tragédia

Durante a partida entre Corinthians e San Jose, na cidade de Oruro, na Bolívia, Kevín Beltran Espada foi atingido por um sinalizador lançado de onde se encontrava a torcida do Corinthians. O incidente ocorreu logo após o gol do time brasileiro.

A situação de Cleuter e Leandro da Silva de Oliveira ficou mais complicada pois, segundo informações do UOL Esportes, foi encontrado vestígio de pólvora nas mãos dos dois jovens. Ainda, o sinalizador usado no disparo não é vendido e nem fabricado na Bolívia, o que corrobora com a versão da polícia boliviana de que o disparo do sinalizador não só saiu da torcida corinthiana como também foi levado do Brasil para o país.


Prisão preventiva

O juiz Cautelar Julio Huarachi Pozo decidiu mantêr os brasileiros presos na última sexta-feira (22). Ele alegou que a medida visava a segurança das investigações, pois segundo o mesmo “é muito fácil sair da Bolívia”. Ele ainda reconheceu que as provas contra os torcedores do Corinthias não são contundentes, mas que vai aguardar as investigações.

Cleuter e Leandro da Silva de Oliveira estão sendo indiciados por homicídio culposo e os outros dez brasileiros são acusados de cumplicidade ao tentar esconder da polícia os autores do disparo.

Eles permanecerão presos por tempo indeterminado, até o ministério público boliviano juntar as provas do processo. Dois corinthianos estão sendo processados por homicídio culposo e os outros dez por cumplicidade no crime.