Publicidade
Cotidiano
RECADASTRAMENTO

TRE já coletou dados biométricos de 1,6 milhão de eleitores no Amazonas

Segundo o TRE, agora a meta é que 85% dos eleitores sejam recadastrados pela biometria até maio de 2018, quando ocorre o fechamento do procedimento por conta das eleições 2018 24/09/2017 às 17:15
Show presidente do tre
Presidente do TRE, Yedo Simões, disse que a meta da Corte é que 85% dos eleitores sejam recadastrados até maio de 2018 (Foto: Márcio Silva)
Camila Pereira Manaus (AM)

O Amazonas já atingiu 72% de eleitores identificados pela biometria, segundo dados atualizados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) conseguiu recadastrar 123 mil eleitores na biometria, feito que representa 61,5% da meta de 200 mil eleitores, prevista para o Estado em 2017. Ao todo, 1.681.048 eleitores já foram recadastrados.

Com a cassação do governador José Melo (Pros) e a necessidade da realização de uma eleição suplementar para governo do Amazonas, em maio, o recadastramento biométrico foi suspenso. Após a realização do pleito, no dia 11 de setembro, o TRE-AM voltou a executar a tarefa de coletar os dados biométricos do eleitorado.

Segundo o presidente do TRE-AM, desembargador Yedo Simões, agora a meta é que 85% dos eleitores sejam recadastrados pela biometria até maio de 2018, quando ocorre o fechamento do procedimento devido às eleições gerais marcadas para outubro.

“Como houve essa parada por quatro meses, por conta das eleições, não será possível concluir a biometria de todo Estado até maio de 2018”, explicou. “Estamos focados em municípios maiores, que apresentam um número grande de eleitores. Não significa dizer que os outros municipios irão parar, tudo ocorrerá dentro do planejado. Fazer a biometria em todo o Estado é uma tarefa complicada, pelas dimensões e deslocamento”.

Simões destacou a mobilização ocorrida no município de Atalaia do Norte, onde houve o cadastramento de mais de 5 mil indígenas distribuídos em 55 aldeias, reunidos em seis locais de votação. Na localidade,  47% dos 7.784 eleitores já foram recadastrados.

“O TRE-AM deu condições para que esses indígenas pudessem votar. Transferimos as seções eleitorais para dentro do Vale do Javari”, disse o presidente. “Os indígenas correram mesmo à biometria. Nós que somos considerados ‘civilizados’, deixamos para última hora, os indígenas não. Eles lutam por esse empoderamento”, afirmou.

Obedecendo um planejamento, o TRE-AM realizou acordos de cooperação com as prefeituras e câmaras municipais. São exemplos disso, as prefeituras e Câmaras Municipais de Silves, Caapiranga, Boa Vista do Ramos, Urucurituba, São Sebastião do Uatumã, Nova Olinda do Norte, Tefé, Alvarães, Uarini. Nestes locais, servidores foram treinados para os trabalhos de coleta das informações biométricas e demais dados cadastrais dos eleitores.

Os eleitores podem agendar o cadastramento biométrico por meio do endereço eletrônico do TRE-AM (www.tre-am.jus.br).

Blog

Gilmar Mendes Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

 “A Justiça Eleitoral   no Amazonas demonstrou mais uma vez, ao conduzir os preparativos das novas eleições para o governo do Estado, a excelência do trabalho realizado pelos dirigentes, servidores, colaboradores e parceiros desta nossa Justiça Especializada. Em um Estado de dimensão continental, com populações em locais distantes, e em um período de quatro meses (de maio a agosto), o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas executou, de maneira elogiável e eficaz, todos os serviços de ordem administrativa e de logística para levar a bom termo essas eleições para governador do Estado. O intenso trabalho de cadastramento biométrico realizado antes da eleição suplementar permitiu ao Regional retomar seu trabalho de biometria após quatro meses de dedicação exclusiva ao pleito suplementar, com 72% de seu eleitorado cadastrado, o que revela números expressivos e que estamos próximos da plena implantação deste importante avanço no Amazonas. Todo esse modelo revela que a Justiça Eleitoral é feita não somente de seus servidores e colaboradores, mas também da cooperação de instituições sociais e órgãos públicos”.