Publicidade
Cotidiano
Notícias

Tristeza e dor marcam o velório da universitária da Ufam morta na Bahia

Muitas pessoas, a maioria do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Amazonas, estiveram presentes para dar o último adeus a jovem, que morreu com tiro na testa durante um assalto na terça (6) em Salvador (BA) 08/03/2012 às 19:36
Show 1
O cortejo saiu do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), na Universidade Federal do Amazonas e seguiu para o cemitério São João Batista
Evelyn Souza Manaus

O velório da estudante universitária Natália Penhalosa Duarte, 19, realizado na tarde desta quinta-feira (8), no auditório Franco de Sá, localizado no Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), foi marcado pelo sentimento de tristeza entre os familiares e amigos. O cortejo saiu as 16h30 e seguiu para o cemitério São João Batista, na Avenida Boulevard Alvaro Maia, Centro de Manaus, onde foi realizado o enterro.

Muitas pessoas, a maioria do curso de Ciências Biológicas da Universidade, estiveram presentes para dar o último adeus a jovem, que morreu com tiro na testa durante um assalto na terça (6) em Salvador (BA).

“A Natália era uma pessoa muito participativa, uma aluna exemplar e que amava tudo o que fazia. Ela era muito querida e nasceu para desenvolver trabalhos na área da biologia. Foi uma perda muito grande realmente” disse o vice diretor do ICB e professor de zoologia da universitária, Sérgio Luis Ganizella.

A professora e diretora do ICB, Sônia Carvalho, foi direta ao dizer que Natália, independente da via acadêmica que tinha, era a mesma pessoa com todo mundo, não fazia distinção das coisas e muito bem quista por todos.

Diego Mendes, namorado da universitária e que estava junto com ela no momento do crime, disse que ao contrário do que a mídia baiana divulgou Natália não reagiu ao assalto.

“Nós estávamos andando normal, eu, ela e a Ariela, foi quando dois homens nos abordaram e anunciaram o assalto. Ela se abaixou para pegar a bolsa e eles achando que ela iria reagir acabaram atirando e depois fugiram”, pontuou Diego

Diego e Natália namoravam há um ano e meio. Ele disse que a jovem era uma pessoa iluminada e completou dizendo que ela fez o que amava até o último momento.

Momentos antes da saída corpo para seguir ao cemitério, foi pedido que ficassem no auditório, apenas familiares e a amigos mais íntimos.

O pai de Natália, o roraimense João Bosco, disse que ela era uma ótima filha e que não tinha do que reclamar e também comentou revoltado sobre a falta de segurança que o nosso país vem sofrendo. O irmão dela, João Paulo, preferiu não falar com a imprensa.

“Tudo que Deus faz é bem feito. Por onde ela passou e ainda vai passar ela vai iluminar a todos como um feixe de luz. É difícil aceitar a forma como ela morreu, a falta de policiamento não só aqui como em todo o país é um problema grande.”

João Bosco finalizou dizendo que Natália era uma pessoa excelente em tudo que fazia e que ele só pedia a Deus que ele desse força à todos nesse momento.