Publicidade
Cotidiano
Notícias

Vinda dos haitianos para o Brasil é tema de artigo científico realizado por delegado

A pesquisa mostra que nos dois últimos anos em que o Brasil vem recebendo a imigração, nenhuma ocorrência foi registrada pela polícia na qual os haitianos fossem autores de crimes 26/12/2012 às 08:19
Show 1
Os haitianos vêem no Brasil uma nova oportunidade de vida
Bruna Souza Manaus, Am

A chegada dos haitianos no Brasil e principalmente na região Norte, trouxe diversas especulações sobre o grau de oportunidade para aqueles que desejam trabalhar e conhecer o país com o sexto maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo. O delegado da Polícia Civil do Amazonas e Titular da Delegacia Especializada em Capturas e Polinter, Carlos Alberto Andrade, elaborou um artigo científico que retrata esta realidade e os reflexos da presença dos haitianos na sociedade amazonense e na segurança pública do estado.

O estudo realizado pelo delegado e por Beatriz Bessa Matos e Isaias Alberto de Moraes, pesquisadores do Grupo de Análise de Prevenção de Conflitos Internacionais do Rio de Janeiro (GAPCon/RJ), mostra que a recente vinda dos haitianos para o Brasil expôs a fragilidade das instituições nacionais para lidar com situações que envolvem a imigração ilegal e detalha as causas da vinda destes imigrantes para o país.

 “O Brasil lidera a missão das Nações Unidas no Haiti e com isso houve, por partes dos brasileiros que estão lá, um grande contato com os haitianos, além de outras organizações governamentais como a Embrapa e a Igreja Católica. O haitiano que chega ao país diz ter uma imagem acolhedora do Brasil e afirma ter conhecimento da  atual situação econômica do país, o que motiva a escolha do Brasil como um local de recomeço”, disse Carlos Andrade.

A pesquisa começa a abordagem da questão pela estrutura do Estado para receber os imigrantes que buscam melhorias de vida. A falta de emprego, de oportunidade de renda, moradia, educação e de serviços básicos de saúde pode contribuir para problemas sociais ainda maiores daqui a alguns anos. O Delegado ressalta a importância do trabalho do Estado em receber os haitianos promovendo oportunidade que valorizem a mão de obra haitiana e evite o envolvimento dessas pessoas no submundo do crime, mais precisamente, no do tráfico de drogas.                   


O reforço no patrulhamento das fronteiras na região Norte e a atuação da chancelaria brasileira em conjunto com os governos do Peru, Equador e da Bolívia devem evitar que os haitianos continuem sendo explorados pelos “coiotes". Para Andrade, o Estado não pode esquecer que os haitianos são um grupo de risco para ingressarem no mundo da criminalidade já que falta oportunidade de emprego devido à falta de qualificação profissional.

“Muitos haitianos possuem escolaridade, mas ingressam no mercado de trabalho em profissões não legalizadas como vendedores ambulantes em semáforos da cidade, domésticas, ajudantes de pedreiro na construção civil, entre outras. A partir do momento em que um haitiano, como qualquer indivíduo independentemente da sua nacionalidade, ficar sem emprego, a oportunidade de se envolver no mundo do crime é maior, basta que estes não tenham como serem inseridos de forma digna no mercado de trabalho”, relatou Carlos.

A pesquisa mostra que nos dois últimos anos em que o Brasil vem recebendo a imigração, nenhuma ocorrência foi registrada pela polícia na qual os haitianos fossem autores de crimes.

O estudo terá continuação e tem por objetivo verificar a situação dos haitianos no país, observando os pontos de empregabilidade e ocorrências na criminalidade para traçar o perfil deste imigrante.