Publicidade
Cotidiano
FINAL DE ANO

Visitas em presídios do AM vão acontecer nas vésperas do Natal e Ano Novo, diz Seap

Devido às datas comemorativas caírem em segundas-feiras, as visitas foram mantidas nos finais de semana 23 e 24 e 30 e 31 de dezembro 15/12/2017 às 17:19 - Atualizado em 15/12/2017 às 17:29
Show show compaj
Foto: Arquivo A Crítica
acritica.com Manaus (AM)

As visitas de familiares a presos do sistema prisional do Amazonas no período de fim de ano vão acontecer nas vésperas do Natal e do Ano Novo, conforme a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). Segundo o órgão, devido às datas comemorativas, 25 de dezembro de 2017 e 1º de janeiro de 2018, caírem em segundas-feiras, as visitas foram mantidas para os finais de semana anteriores, 23 e 24 e 30 e 31 de dezembro.

De acordo com a Seap, os horários das visitas serão de 7h para as entradas dos familiares e 16h para as saídas. “A definição dos dias de visita para as festas de fim de ano segue o calendário no qual as datas caem em cada ano. Neste ano, pela proximidade da data com o final de semana, onde todas as unidades recebem visita normalmente, os dias 25 de dezembro e 1º de janeiro não serão abertos para os familiares”, divulgou a Secretaria de Administração Penitenciária por meio de nota.

O órgão também negou informações de que as datas das visitas deste ano tenham sido definidas devido a boatos de rebeliões dos presos. Conforme a Seap, no ano passado, no período de festas 2016/2017, as datas comemorativas do Natal e Ano Novo, 25 de dezembro e 1º de janeiro, caíram em domingos, o que, segundo a Seap, combinou com as datas comuns de visitas aos finais de semana.

Massacre e rebelião

E foi logo após as visitas de familiares ocorridas em 1º de janeiro deste ano que aconteceu o segundo maior massacre de detentos do sistema prisional do Brasil: o massacre do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde 56 internos foram mortos devido a uma briga de facções. Familiares foram orientados a saírem do complexo e, horas depois, iniciava a matança. Na mesma data, houve fuga em massa de 225 presos em presídios da cidade.

Publicidade
Publicidade