Publicidade
Cotidiano
Notícias

Vorax, em Manaus, encerra com mais nove interrogados

Quatro réus, de Coari, foram interrogados com cinco de Manaus, nesta sexta-feira. Outros quatro vão ser ouvidos por meio de carta precatória. 22/06/2012 às 17:48
Show 1
Soma milionária teria sido desviada dos cofres da Prefeitura de Coari na administração do ex-prefeito Adail Pinheiro
acritica. com Manaus

Nesta sexta-feira (22), até o meio dia, foram interrogados na 2ª Vara Federal do Amazonas  mais nove réus envolvidos na denominada Operação Vorax, em 2008, acusados de fazer parte de um esquema de fraudes no município de Coari, (a 370 quilômetros de Manaus).

Foram  ouvidos nesta sexta-feira, como últimos interrogatórios em Manaus,   Luís Cesário Neves; Ozias Josino da Costa, Wilkens da Cruz Gonçalves, Girlanildo Costa Rodrigues, Salustiano Rodrigues de Freitas; Paulo Bonília Lemos, Acilmo da Silva Coelho, Edfranco Marinho da Silva e Leila Regina Menezes.  Os últimos quatro réus, provenientes de Coari,  pediram para depor em Manaus.

Quatro réus,  ainda vão ser  ouvidos  por meio de carta precatória  (instrumento jurídico, usado entre juizados diferentes, que visa citar o réu a comparecer aos autos, quando o acusado estiver fora do território de jurisdição do juiz processante). Um de Pelotas,( RS)  e três de Coari.

O total de réus da Operação Vorax são 28. No primeiro dia de interrogatórios , dia 20, na quarta-feira,  seriam ouvidos 10, mas três deles pediram dispensas. O ex-prefeito Manoel Adail Amaral Pinheiro, considerado o líder do esquema de fraudes, Adriano Salan, assessor de governo e  Haroldo Portela, assessor de comunicação.  Na quinta-feira (21) foram ouvidos nove réus  e nesta sexta-feira(22) mais nove.    

O esquema de fraudes em Coari, em 2008, teria desviado mais de R$ 25 milhões em obras bancadas com verbas federais. De acordo com o Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM) os réus são acusados de crimes de peculato, fraude à  licitações e falsidade de documentos. Desvios de recursos públicos, advindos de convênios federais e de royalties pagos pela Petrobras com a exploração de petróleo e gás natural no município