Publicidade
Eleições
SEM APOIO

Liliane Araújo anuncia saída do PPS e diz que não apoiará candidatos no 2° turno

Em coletiva na manhã desta sexta-feira, Liliane alegou de sofreu ameaças dentro do partido durante o processo eleitoral e por isso tomou essa decisão 18/08/2017 às 11:18 - Atualizado em 18/08/2017 às 15:55
Show lili
(Foto: Camila Pereira)
Camila Pereira Manaus (AM)

A jornalista Liliane Araújo anunciou, nesta sexta-feira, a saída do Partido Popular Socialista (PPS), o qual representou no primeiro turno das eleições suplementares, e disse que não apoiará nenhum candidato durante o segundo turno, diferente da sigla que expressou apoio ao candidato Amazonino Mendes (PDT). Liliane alegou que sofreu ameaças dentro do partido durante o processo eleitoral e, por isso, tomou essa decisão. 

Na primeira fase do pleito, a então candidata conseguiu mais de 64 mil votos, que não foram computados entre os votos válidos por causa de pendências com a Justiça Eleitoral. Liliane teve sua candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), por problemas na filiação partidária. 

“Não compactuo com a decisão tomada pelo PPS, não vou apoiar nem ‘A’, nem ‘B’, em respeito aos votos que tive, amigos e família. Não serei incoerente com o meu discurso. Muitas lideranças surgiram e depois destruíram a carreira por conta de ser incoerente. Eu não faço parte disso”, disse Liliane. “Acabou o primeiro turno, eu decidi ficar com a minha família. É um direito que eu tenho. Sofri ameaças e perseguições dentro do partido. Não posso me calar. Como mulher e cidadã, não posso ficar calada diante de tanta sujeira que existe dentro do partido e principalmente do partido que eu estava”.

Após o segundo indeferimento de candidatura, pelo TRE-AM, Liliane disse que foi coagida dentro de uma sala do partido, citando nomes como Elcy Barroso, presidente do partido, que teria tentado convencê-la de desistir do pleito. “Eles disseram que iam fazer uma reunião e trancaram a sala, meu funcionário não conseguiu entrar (...) Recebi ameaças do tipo: ‘se você não desistir de sua candidatura, eu como presidente, tenho como acabar com a sua candidatura, com esse processo todo’. Mas como? Se eu fui aclamada em convenção, é um direito que eu tenho de exercer”, afirmou Liliane.

Questionada se já tem outro partido em vista, Liliane disse que é preciso ter cautela. “O fato é que hoje eu não tenho nenhum partido. Isso é muito complicado, após todas essas declarações. Preciso avaliar para onde vou, porque é necessário que se apoie o projeto de renovação. Não vamos nos render a esse tipo de covardia e jogo sujo. Não quero me sujar com essa lama que está aí”, disse. 

A jornalista disse ainda que não pretende anular o seu voto, mas não expressou quem seria o seu candidato escolhido. “O voto é secreto”.

PPS

O presidente estadual do PPS, Elcy Barroso, negou que tenha feito ameaças contra a jornalista e disse que foi pego de surpresa com a saída de Liliane da sigla. “Quando houve o indeferimento, não haveria mais condições de prosseguir na campanha, porque até o fundo partidário nacional, foi travado. Não tínhamos como trabalhar na campanha sem o fundo. Chamamos para explicar a situação. Só tínhamos a opção de parar a campanha ou aderir uma outra campanha. Essa conversa que teve. Nunca trabalhei com ameaça”, disse. “Ela faz parte da executiva, entramos na sala. Mas a conversa é do executivo. Gente que não fosse do partido, não poderia participar de uma conversa mais restrita. Cada um é responsável pelo que fala”.

Ontem, o partido se reuniu e decidiu o apoio ao candidato Amazonino Mendes. “Achamos injusto, um partido que pede voto no primeiro turno e luta para que não tenha votos brancos e nulos, simplesmente no segundo turno dizer que não existe apoio. Enxergamos que entre os dois candidatos, o nome de Amazonino é a melhor opção.”