Publicidade
Entretenimento
Disciplina Filhos

A complicada tarefa dos pais em dizer ' não' aos seus filhos

É a escola, é a família, são os amigos e os especialistas. Cada um tem sua receita, mas com pedagogias diferentes 01/07/2012 às 11:34
Show 1
Colocar limites não significa ser autoritário, mas sim ter autoridade
Anna Batista Manaus

Há uma grande diferença em “educar para aprender” e “educar sob medo”. A criança precisa compreender o motivo dos limites e não achar que está sendo castigada por autoritarismo ou aborrecimento dos adultos. Se essa tarefa é simples? Nunca será!

A questão do limite no desenvolvimento de uma criança é muito mais complexa do que se pensa e são justamente os pais, como figuras de autoridade, os grandes responsáveis pela introdução crítica às regras sociais nos filhos e a adaptação a elas na fase adulta.

Como lidar?

 “Aos 3 anos, Miguel Henrique passou por uma etapa complicada onde aprendeu a chamar ‘palavrões’ devido ao contato com outras pessoas. Isso nos trouxe bastante constrangimento em casa e em público”, conta o pai Mick Loureiro que junto da esposa Cremildes Mendonça procurou a orientação da psicóloga Lúcia Seixas.

“A falta de limites tem consequências negativas para a criança em desenvolvimento. Pois, os limites a ajudam a tolerar frustrações e adiar sua satisfação. Colocar limites não significa ser autoritário, mas sim ter autoridade”, afirma a Dra. Lúcia.

Os limites precisam ser acima de tudo claros quanto aos seus propósitos, e nessa hora que o coração dos pais aperta, pois, como saber quando dizer “não”?

“Acredito que a maior dificuldade é voltada ao ponto da chantagem emocional que a criança impõe, parece que ela encontra um modo fácil de conseguir o que deseja” desabafa o corretor de imóveis, Mick Loureiro.

Desculpas

 Segundo a psicóloga Jéssica A. Fogaça, especializada em Clínica Analítico-Comportamental Infantil (atuante em São Paulo), “os pais têm dificuldades em estabelecer limites aos filhos porque pensam que a criança não é capaz de compreender as mensagens passadas. Isso demonstra uma insegurança dos pais em relação à formação e orientação que dão aos filhos”.

Outra dificuldade, de acordo com a especialista, é a culpa por não estarem tão presentes quanto gostariam e para compensar, deixam os filhos fazerem o que querem e não impõem os limites. “Mas, isso não é desculpa para não educar os filhos. Certamente, a dificuldade em aplicar limites nas crianças é erro dos pais”, garante Mick Loureiro.

 “Pois a criança nasce sem informação. Seu caráter e personalidade serão forjados de acordo com a dedicação e conhecimento dos pais em passar aos filhos uma boa educação”, declara o pai de Miguel.

 Missão possível

Educar exige trabalho e paciência por parte dos pais. Cabe-os ensinar as regras e os limites do convívio social, usando da calma, segurança e parceria.

“Confesso que isso foi um ponto crucial em nosso desenvolvimento familiar. Miguel fazia chantagens e isso causava divergências entre eu e minha esposa, tirando autoridade de ambos. Até que decidimos estabelecer uma regra: quando ela repreender, eu demonstro concordar sem me intrometer e vice-versa”, explica Mick.

 E esse é um ponto muito ressaltado pelos orientadores: na educação de uma criança é preciso um verdadeiro trabalho em equipe.

“Os responsáveis pela criança devem decidir juntos qual é a melhor maneira de orientar o seu filho. Eles têm que ter claro quais são os valores de sua família. É claro que toda ajuda é bem-vinda, mas não adianta tentar fazer algo que os pais não cumprirão. O importante na educação das crianças é a coerência e persistência”, observa Dra. Jéssica Fogaça.

Quatro erros que devem ser evitados

O filho vai do choro à chantagem, e neste momento acontece o primeiro erro: ceder para se ver livre do problema. Os filhos interpretam isso como um sinal de fraqueza. Pense antes de dizer “não”, mas se ao impor limites o pai perceber que errou pedir desculpas ao filho é ideal.

O segundo erro que os pais podem cometer é o de bater ou ameaça-los. Quando você impõe um limite, o seu filho tem o direito de expressar o sentimento de desagrado. Nesse momento diga: - Filho, você tem o direito de ficar com raiva de mim, mas não tem o direito de me desobedecer.

 Um terceiro erro que os pais podem cometer é não chegar a um acordo sobre o limite imposto e discutir na frente dos filhos sobre o impasse. Nenhum cônjuge deve tirar a autoridade do outro, isso produz insegurança nos filhos.

O quarto e o último erro que pode ser cometido pelos pais é o de não acompanhar o desenvolvimento dos filhos. Às vezes os pais impõem limites aos adolescentes, tendo como padrão o modelo que era utilizado quando eram crianças.