Publicidade
Entretenimento
Vida

A cultura dos vinis é abordada na 9ª edição da Vinil Rock Live

Fundada há 2 anos, a Vinil Rock Live nasceu da ideia de três amigos que queriam proporcionar um espaço de compartilhamento e diversão nos moldes mais antigos. Mas o evento traz, somado ao espaço dos vinis, a participação de bandas de rock locais, como a Antiga Roll, Maotrajados, Laminer Face, e a Influenza Rock 21/02/2013 às 16:35
Show 1
A Vinil Rock Live é realizada desde 2011
Laynna Feitoza Manaus, AM

Até a década de 80, a cultura dos vinis vigorava na sociedade. Com um som mais limpo e ‘puro’, conforme dizem seus admiradores, os discos reproduzem atualmente a nostalgia de um período desbravador na música brasileira e mundial. E confirmando esta política musical, a 9ª edição do Vinil Rock Live, que acontecerá no dia 02 de março, a partir das 15h, no Bar do Braga, localizado na Rua Belo Horizonte, 636, bairro Adrianópolis, promete reavivar a lembrança da época em que as vitrolas dominavam o núcleo da música.

Fundada há 2 anos, a Vinil Rock Live nasceu da ideia de três amigos que queriam proporcionar um espaço de compartilhamento e diversão nos moldes mais antigos. Mas o evento traz, somado ao espaço dos vinis, a participação de bandas de rock locais. A festa será ‘dividida’ em duas partes: das 15h às 19h o momento será reservado ao som da vitrola. A partir das 19h, as bandas de rock assumem o comando da festa. Porém, no intervalo de uma banda a outra, o vinil retorna para divertir os presentes.

“A ideia da festa começou com o Luciano Felipe, dono da vitrola e do bar onde acontece o evento. Primeiro ele fez oito vinil sessions lá no bar, aí eu propus a ele a inclusão de bandas ao vivo para incrementar a proposta”, assegurou Albenizio Júnior, amigo de Luciano, baixista da banda Playmobils e um dos organizadores. Junto a eles, o irmão de Luciano, chamado Lúcio, também faz parte do pontapé inicial em relação à criação do Vinil Rock Live. As bandas que comandarão o evento são as autorais Antiga Roll, Maotrajados, Laminer Face, e a cover Influenza Rock.

O resgate da cultura dos vinis é justificado por Albenizio no que diz respeito à principal premissa da festa: cultuar uma tradição, que, segundo ele, ainda possui fieis adeptos. “O vinil é muito mais fiel ao som do que um CD, apesar do chiado produzido. O objetivo da festa é resgatar essa cultura, e o que nos impressiona é que ela ainda é muito forte. Achávamos que as pessoas tinham esquecido, mas ainda há uma forte adesão por parte de jovens e adultos, mesmo com esse período em que o compartilhamento de músicas pela internet é intenso. A gama de admiradores ainda é muito grande”, destacou, alegando ainda que pessoas na faixa etária entre 18 a 60 anos costumam marcar presença no evento.

Vinis do público aproveitados


O grande destaque do evento é a possibilidade dos frequentadores levarem seus próprios vinis para tocar na festa, o que acaba abrangendo todos os ritmos. Mas é o rock que predomina na vitrola do bar, que passeia por The Who, Black Sabbath, Beatles, Led Zeppelin, Raul Seixas e Zé Ramalho, de acordo com Ana Carolina Magnani, guitarrista da banda Playmobils e também integrante da Push Play, produtora independente do evento. “É sem preconceito. Quem quiser levar o seu vinil terá seu disco tratado com cuidado”, afirmou Magnani.

Para garantir que cada vinil vá à vitrola, Albenizio afirmou que os discos são devidamente etiquetados para promover a segurança do material de cada um. “A pessoa que levar o seu vinil no bar vai etiquetá-lo com a ajuda da equipe, marcando as faixas que quer e o seu nome. O vinil espera na ordem de chegada. O mais interessante é que os frequentadores trazem seus vinis, seja para ouvir, seja para fazer negócio”, ponderou o organizador. Ao todo, o público das edições anteriores do Vinil Rock Live gira em torno de 150 a 200 pessoas, mesmo número em relação ao que se espera este ano.

A festa tem tantos adeptos que ultrapassa os limites físicos do Bar do Braga, e acaba se distribuindo na rua. Porém, de forma cuidadosa, respeitando as normas regulamentadoras impostas, ressaltou Albenizio. “A festa é licenciada pela Polícia Civil (PC) e tem a autorização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) para que possa acontecer também na rua. Tomamos cuidado com o volume do som e similares”, pontuou.

Vitrola


O principal elemento da festa, a vitrola, pertence ao dono do bar, o cientista social Luciano Felipe, mentor da festa ao som dos vinis. “A festa tem o intuito de reviver para aquelas pessoas que viveram a fase do vinil, que pra mim é a melhor fase da música, por ter o som mais puro, mais perfeito”, indagou Felipe, que comprou a vitrola de um cliente do bar, destacando que a Vinil Rock Live aconteceu durante um ano somente com os vinis e a vitrola.

Para ele, o hábito do áudio em rotação pela internet faz com que, em parte, seja perdida a identidade do produto musical. “Com o evento, queremos fazer com que a sociedade possa valorizar os vinis”, afirmou ele, lembrando que a cultura do vinil está voltando. “Tem bandas de rock que estão regravando seus trabalhos originais em vinis, como Iron Maiden, Guns’n Roses, Metallica”, contou Luciano. A 9ª edição da Vinil Rock Live é gratuita. É pago apenas o que é consumido no bar.

Serviço

O que é: Vinil Rock Live

Quando: 02 de março

Horário: A partir das 15h

Onde: Bar do Braga, localizado na Rua Belo Horizonte, 636, bairro Adrianópolis

Quanto: Gratuito