Publicidade
Entretenimento
Vida

Amazonense é o ‘cara’ da noite paulista

Cleyson Lima saiu de Manaus para se aventurar em São Paulo. Hoje, comanda casas noturnas e empresaria artistas  17/03/2013 às 12:10
Show 1
Hoje com 35 anos, Cleyson da Silva Lima foi para São Paulo aos 21
acritica.com ---

Após o falecimento de seu pai em 1999, Cleyson da Silva Lima, à época com 21 anos de idade, decidiu deixar Manaus para embarcar numa verdadeira aventura pela cidade de São Paulo. Com pouco dinheiro no bolso, mas com muita determinação, o rapaz se tornou um dos principais empresários da cena noturna da capital paulistana, atuando em diversas casas da badalada Vila Olímpia.

Proprietário da AC4 Produções, que além de prestar assessoria completa a casas noturnas como Boteco Vila Rica, Ferraz, Aurora, She Rocks, Santa Julia, ele ainda promove shows e empresaria artistas, como o grupo de samba Ato Nobre. “A ideia era expandir meus conhecimentos, por meio de novos desafios em uma nova atividade de trabalho. Os problemas que enfrentei ao chegar a São Paulo foram a falta de dinheiro, o frio, a distância dos amigos, familiares e a saudade de Manaus”, disse Lima, hoje com 35 anos de idade. Na capital amazonense, ele trabalhava numa empresa de aviação.

“Eu era jovem e sonhador, como todo aquariano. Estava com a cabeça explodindo de ideias e ideais, participava de festivais de poesia e música. Tive um poema publicado, intitulado ‘Cobaia do mundo’, num desses projetos literários de Manaus. A música, a noite e a vida urbana me fascinavam, e naquele momento os desafios, uma nova experiência, o desconhecido eram meus principais objetivos. Não tinha um foco específico; vencer em São Paulo era o objetivo”.

Apesar das dificuldades que passou ao chegar a São Paulo, ele foi conquistando seu espaço num conceituado estúdio de ensaios de grandes grupos de samba do cenário nacional (Soweto, Negritude Júnior, Jeito Moleque, entre outros), como técnico de som, profissão que o levou aos palcos e à noite paulistana. Além disso, o emprego abriu o caminho para a criação da sua empresa de locação de equipamentos de som e mais tarde a AC4 Produções.

Atuação

Sobre as dificuldades do mercado de entretenimento, ele disse que é necessário se renovar todos os dias, mas que, apesar da concorrência, trabalhar nesta área é algo prazeroso.

“A competição é muito grande e as dificuldades são enormes. Precisamos tirar uma carta da manga todos os dias, e em épocas como as de hoje, com crises financeiras, Lei Seca, Lei Antifumo, tudo se torna mais difícil. Essa geração está mudando o estilo de diversão no Brasil, algo tipo ‘diversão consciente’ como já existe em alguns lugares da Europa. Isso será muito bom para o futuro, e é muito bom estar num lugar onde todas essas mudanças acontecem. Os contatos com celebridades, jogadores, cantores e artistas, tornam o agito noturno de São Paulo uma loucura, com atividades para todos os dias, assim trabalhamos de segunda a segunda”.

Pagodeiros

A AC4 Produções está investindo na carreira dos meninos da Ato Nobre, que já se apresentaram em espaços de renome de São Paulo e de outras cidades do País. O quarteto já dividiu o palco com artistas do samba como Péricles, Bello, Bom Gosto e Turma do Pagode. A ideia é trazê-los para se apresentar em Manaus.

“Fiquei apaixonado pelo som e principalmente pela energia do Ato Nobre. Ele é o melhor grupo de pagode com quem já tive a oportunidade de trabalhar, e olha que já trabalhei com muitos grupos bons (risos). O Guilherme Albuquerque, o vocalista, é o maior artista em cima de um palco que conheço, seja cantando, interpretando ou dançando”, destacou o empresário.

Terra natal

 Por meio de parceirias com rádios e empresas de eventos de Manaus, Lima pretende trazer o seu grupo para a cidade. “Meu maior sonho hoje é vê-los tocando nos maiores eventos da cidade, como o ‘Manaus Folia’, o ‘Samba Manaus’ e até no Anfiteatro da Ponta Negra, numa passagem de ano”.