Publicidade
Entretenimento
Animais amor veterinários

Amor aos animais 24 horas por dia

Conheça veterinários que são tão apaixonados pela sua profissão que são profissionais praticamente 24 horas por dia 27/06/2012 às 09:07
Show 1
Dra. Kátia com sua filharada no sofá
Anna Batista Manaus

 Diversas pessoas partilham de um imenso amor pelos animais, e decidem ir além dos cuidados caseiros dos companheiros de patas. Decidem estudá-los.

O papel do profissional desta área vai da assistência e cuidado de rebanhos ao trabalho na indústria alimentícia e em empresas especializadas em venda de vacinas. Logo, o conceito “cuidar de animais” se torna pequeno para descrever a função do médico veterinário.

A problemática surge após um dia inteiro de trabalho, certamente exaustivo, dando plantão - seja em consultórios, cavalarias ou zoos - quando a maioria dos doutores “pets” também têm seus próprios bichinhos para cuidar em casa. Rotina integral? Os bichanos não querem saber! Eles merecem atenção, senão vira: “casa de ferreiro, espeto de pau”.

Dedicação animal

 “Mesmo quando estou muito cansada, chego em casa e eles me recebem com tanta alegria, principalmente a Sky, a mais nova e completamente louca”, diz aos risos a veterinária Kátia Lacerda que, além de Sky, tem mais a cadela Leka e os gatos Gaspar, Mingau e a Bella.

“Para mim é normal (essa rotina integral). Trabalhar no consultório com animais e em casa ter os meus mascotes pra companhia”, fala o médico Cristian G. S. Aguilera que conta com a amizade de seis gatos, dentre eles seu xodó Joaquim, vulgo Jojoca, e a cadela Dachshund, Isabelle - carinhosamente chamada de Bebele. Todos com nome e apelido, no puro estilo animal.

Porém, para outros a rotina cobra mais e é difícil fazer essa conciliação. “Fico triste que depois de formado não tenho tido muito tempo pra eles - os Bull Terriers, Krak e Lanai e a Golden Retrivier, Fiorella - porque trabalho de segunda a sábado. Busco recompensar levando-os para nadar no rio sempre que posso. Eles adoram e voltam acabados de cansaço”, conta o veterinário Shalako Chagas.

Feedback

 Dúvidas não restam de que esses especialistas, ainda que com uma rotina de “cão”, aplicam a mesma e gigantesca afeição que têm pelos seus próprios animais na hora dos atendimentos.

“É uma satisfação poder estar ajudando, amenizando a dor e poder proporcionar qualidade de vida aos animais. Por eles não falarem, essa função requer muita cooperação do tutor do animal para que possamos oferecer o melhor tratamento e chegar num diagnóstico preciso o mais breve possível”, afirma Shalako Chagas, que desde criança teve contato com animais na fazenda de seu pai, daí tanta afinidade.

E são nos pequenos gestos que mora a receita que encanta e motiva esses profissionais na carreira que escolheram. “Quando se faz o que gosta tudo é encantador, tenho o privilégio de trabalhar com seres tão puros, que são capazes de demonstrar gratidão e carinho sem dizer uma só palavra”, diz a dra. Kátia.

 Cristian Aguilera Médico Veterinário

 “Decidi ser veterinário na adolescência, meu pai é oficial da cavalaria aposentado, então comecei a trabalhar com ele e cuidar primeiramente de cavalos como auxiliar de veterinária residente da hípica. Sou formado desde 1996, pela Universidade de São Paulo - USP, e em todo esse tempo que atuo acredito que a parte mais gratificante da área para mim é a da clínica. Cuidar do doente, acompanhar sua evolução no tratamento para a cura, e ver o paciente plenamente recuperado faz muito bem pra gente. Sinto-me muito bem ao lado dos meus animais! Saber que um animalzinho desse te ama sem nenhum interesse, não importando se você é bonito ou feio, rico ou pobre... Realmente os animais amam de verdade seu dono. Se eu tivesse que resumir em uma palavra o meu sentimento pelos bichinhos, não conseguiria. Seriam, na verdade, pelo menos duas: amor e carinho”.