Publicidade
Entretenimento
Buzz

Amy Winehouse gostou das pessoas, do sol e dos shows no Brasil, diz pai da cantora

Um ano depois da morte da cantora, Mitch conversou com Marcos Losekan sobre detalhes da vida da cantora, como a luta contra as drogas 30/07/2012 às 12:32
Show 1
Amy Winehouse
uol/música ---

Em entrevista ao "Fantástico" que foi ao ar neste domingo (29), o pai da cantora Amy Winehouse, Mitch Winehouse, falou sobre como a cantora gostou de sua passagem pelo Brasil, em janeiro de 2011. "Ela me telefonou muito animada e disse: isso aqui é bonito, muito, muito bonito. Amy gostou das pessoas. Gostou de pegar sol. Ninguém a chateou, e ela gostou mesmo dos shows", lembrou Mitch Winehouse.

Um ano depois da morte da cantora, Mitch conversou com Marcos Losekan sobre detalhes da vida da cantora, como a luta contra as drogas. Ele fez essa e outras revelações na biografia “Amy, Minha Filha” (Editora Record), prevista para ser lançada no Brasil dia 3 de agosto.

Mitch Winehouse contou, por exemplo, que Amy passou as últimas seis semanas de vida limpa, sem tocar em uma gota de álcool. A cantora morreu no dia 23 de julho de 2011, e o consumo excessivo de álcool, após semanas de abstinência, foi apontado como possível causa da morte.

O livro começa com o telefonema que recebeu do segurança de Amy, no dia 23 de julho de 2011, quando estava nos Estados Unidos. “Você precisa voltar para casa. Precisa voltar para cá. O quê? Do que é que você está falando? Você precisa voltar pra casa, repetiu. Meu mundo foi se esvaindo. Ela morreu?, perguntei”, lembra o pai, que conta que na hora entendeu o que tinha acontecido só pelo jeito de o segurança falar.

Mitch lembrou ainda o período em que a cantora estava afundada nas drogas, entre 2007 e 2008. "Se ela tivesse morrido naquela época, eu não teria ficado surpreso. Ela estava muito mal", afirmou. Três anos antes de morrer, Amy largou a maconha e a heroína, mas afundou na bebida. Em 2011, conseguiu ficar seis semanas sem álcool. Até que, dois dias antes da morte, voltou a beber.

A vida de Amy, cheia de altos e baixos era muito explorada pela imprensa sensacionalista da Grã-Bretanha. "As pessoas não percebiam que ela era uma garota maravilhosa, como ela era amigável e adorável, e como era generosa", diz o pai, que resolveu escrever o livro para que os fãs pudessem conhecer Amy melhor. "Os jornais eram apenas 1% do que Amy era. A música era 50%. O resto era a pessoa dela”, avalia.

“Amy era uma grande garota, com um coração imenso. Por favor, lembrem-se dela com carinho”, pediu o pai ao fim da entrevista.