Publicidade
Entretenimento
Terapia Animal

Animais fazem bem para o corpo e a mente

Ter um bichinho de estimação é mais do que companhia, ajuda você a manter a saúde 16/10/2012 às 10:46
Show 1
Luana Antony não desgruda de Lili
Luciana Santos Manaus

Filha única e cheia de energia, Mirella Santos, 3 anos e meio de idade, costumava ficar rapidamente entediada com seus brinquedos e sempre os deixava espalhados pela casa.

Há 4 meses, a pequena pediu aos pais que lhe dessem um cachorrinho de presente. Ao invés de um só bichinho de estimação, a menina ganhou um casal de poodles, que transformaram o seu comportamento. Apegada aos filhotes, ela percebeu que o cachorros precisavam de cuidados específicos, um aprendizado que passou a empregar em tudo aquilo que a cerca.


“Ela era inquieta e depois que ganhou os poodles passou a ser mais cuidadosa. Ela pede pra ajudar a cuidar dos cachorrinhos e também passou a ter mais cuidados com os brinquedos, que agora me ajuda a guardar depois que termina de brincar”, conta a mãe da menina, Fátima Santos.

As mudanças benéficas que a chegada do casal de poodles trouxeram à vida de Mirella são exemplo dos benefícios que o convívio com animais proporciona aos seres humanos. Segundo a psicóloga do sistema Hapvida, Rochelle Moreira, ter um animal de estimação é uma boa estratégia para restabelecer a saúde psicológica e, consequentemente, a física.

 “Corpo e mente não se desvinculam. Os humanos necessitam criar laços afetivos, estar vinculados a algo, por isso vivemos em sociedade. E os animais transmitem afetividade, podendo suprir esta carência. Mas tudo vai depender do significado que a pessoa atribui a esse contato”, explica.

Liberado

 Segundo a especialista, os benefícios podem, em tese, ser desfrutados por pessoas de todas as idades. Ela ressalta, no entanto, que crianças têm uma inclinação natural à brincadeira e, assim se vinculam afetivamente com mais facilidade aos animais; e os idosos têm nos mascotes um paliativo para a solidão.

“Nas crianças, a gente percebe que elas ficam com mais ânimo e menos ansiosas. Nos idosos, eles ganham uma companhia, algo para se ocupar”, diz a psicóloga.

Interação assistida

A bototerapia e a equoterapia são dois exemplos de terapias assistidas com animais praticadas em Manaus. Há oito anos, o fisioterapeuta especialista em Rolfing, Igor Simões, vem proporcionando a crianças autistas, com síndrome de down, hiperativas e com distúrbios do sangue, a oportunidade de interagir com os “golfinhos de rio” em seu habitat natural.


 Ele destaca os efeitos terapêuticos, lúdicos e de educação da atividade. “Interagir com os animais proporciona à criança uma certa segurança; há ganhos na psicomotricidade, equilíbrio e consciência corporal, ganhando independência; se estão deprimidas, vão ganhar alto estima”, garante o especialista, que desenvolveu a técnica inspirado no trabalho realizado com golfinhos em cativeiros.

 Na equoterapia, o cavalo é utilizado como instrumento neste método terapêutico que auxilia no desenvolvimento físico, psíquico e emocional de pessoas portadoras de necessidades especiais. A fisioterapeuta Sigrid Ventilari diz que o contato com o cavalo estimula a sensibilidade do paciente, que passa a perceber o animal de uma forma diferente, passam a se sentir responsáveis por ele. “Num primeiro momento eles acham que o cavalo é quem toma conta da situação, até perceberem que é o contrário. Eles passam a entender a necessidade do cavalo, a forma como ele respira”, diz a especialista, acrescentando que uma média de 180 a 225 estímulos são liberados a cada minuto de contato com o animal. Sigrid afirma ainda que independente da patologia, há uma melhora significativa nos sistemas circulatório e digestivo dos pacientes da equoterapia.

Pontos a favor para quem possui um pet em casa:

Pessoas que possuem animais têm níveis de pressão arterial, triglicerídeos e colesterol menores do que aqueles que não possuem;

Idosos que possuem um animal de estimação em casa visitam o médico com menos frequência;

Crianças conseguem passar por uma situação difícil na família, como doenças ou perdas, e ter mais auto estima se têm a companhia de animais;

O contato com animais domésticos, principalmente cachorros, ajuda a fortalecer o sistema imunológico de crianças pequenas.