Publicidade
Entretenimento
Buzz

Após tumulto na apuração, Kassab ameaça tirar recursos do Carnaval caso não haja punição

Em entrevista à imprensa na manhã desta quarta-feira (22), no Anhembi, Kassab disse que está aguardando a investigação da Polícia para saber até que ponto os dois rapazes presos na terça-feira têm algum envolvimento com as escolas 22/02/2012 às 11:13
Show 1
Este ano, a prefeitura investiu R$ 23 milhões no Carnaval. Outra condição imposta pelo prefeito Kassab para continuar a investir no evento é a segurança
Etienne Jacintho DO UOL, em São Paulo ---

Após tumulto que interrompeu a apuração do Carnaval de São Paulo na última terça-feira (21), o prefeito Gilberto Kassab disse que caso a Polícia descubra que há algum envolvimento de dirigentes da escola com a confusão, e a Liga não puni-los, a prefeitura poderá tirar os recursos do Carnaval.

Em entrevista à imprensa na manhã desta quarta-feira (22), no Anhembi, Kassab disse que está aguardando a investigação da Polícia para saber até que ponto os dois rapazes presos na terça-feira têm algum envolvimento com as escolas. "O que eu posso afirmar é que caso haja vinculação da escola com o incidente é evidente que haverá punição. Se for um caso isolado, e não uma ação orquestrada, não. Mas vamos aguardar as investigações da polícia."

Este ano, a prefeitura investiu R$ 23 milhões no Carnaval. Outra condição imposta pelo prefeito Kassab para continuar a investir no evento é a segurança. A partir de agora, a segurança, tanto do evento quanto da apuração, será feita pela Prefeitura de São Paulo. Inclusive, ela fará o esquema de segurança do desfile das campeãs deste ano, marcado para sexta-feira (24).

Kassab admitiu que ocorreram problemas no dia da apuração. "Quando há planejamento, não há falhas. Houve falha no planejamento do evento. Seja no credenciamento das pessoas, ou no isolamento da mesa."

Até o momento, a segurança interna do Carnaval era feita pela Liga das Escolas de Samba de São Paulo, mas de acordo com o prefeito, um novo contrato deve ser assinado "o mais rápido possível". "A questão da segurança será rediscutida contratualmente. Seja na apuração ou no dia do evento", disse Kassab.