Publicidade
Entretenimento
Ações Educativas

Ataques caninos: prevenir é a melhor saída

Ações educativas precisam ser instauradas para sensibilizar população e evitar lesões causadas por cães 01/09/2012 às 11:06
Show 1
Crianças são mais propensas à mordidas de cães, afirmam instituições médicas
acritica.com Manaus, AM

De acordo com dados de instituições médicas americanas, 4,7 milhões de pessoas sofrem algum tipo de lesão provocada por mordidas de caninos, nos Estados Unidos. E a classe mais atingida pelos cães são as crianças, seguidas pelos idosos e pelos funcionários dos correios.

O público infantil representa o número dos 600.000 acidentes envolvendo mordidas de cachorros no país por ano. Os números extensos despertaram a atenção da Academia Americana de Pediatria (AAP), Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS), Sociedade Americana de Microcirurgia Reconstrutiva (ASRM), e Sociedade Americana de Cirurgiões Buco-Maxilo-Facial (ASMS) na promoção de ações que possam informar a população e evitar tais acidentes.

E com o intuito de alertar a sociedade sobre os malefícios das lesões por cães, as quatro organizações americanas lançaram a Semana Nacional de Prevenção às Mordidas de Cachorro, que reúne associações médicas, veterinárias e representantes dos correios.

Segundo as instituições, as crianças são os alvos mais constantes e fáceis para os cães, apresentando 3 vezes mais propensão aos ataques do que adultos. Aproximadamente 33.000 cirurgias de reconstrução nos EUA são ocasionadas por ataques de cachorros.

No Brasil

O cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada de São Paulo e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, falou sobre os profissionais médicos mais habituados às ocorrências de mordidas caninas.

“Cirurgiões plásticos, pediatras e cirurgiões maxilo-faciais são os profissionais que tratam das vítimas de ataques de cães e mais comumente presenciam de perto o poder devastador das lesões causadas por ataques de cachorros”, confirmou o médico.

Por conta da propensão das crianças a ataques caninos, o médico ressalta que ensinar sobre as medidas de prevenção aos pequenos é crucial.

“Assim como ensinamos as crianças a  tomarem precauções quando andam de patins ou bicicleta, devemos preveni-las sobre os riscos de se aproximarem muito dos animais, mesmo os de estimação, pois quando os ataques acontecem, nariz, boca e bochecha são os principais alvos. E como a pele das crianças é mais fina e vascularizada, a mordida pode provocar sérias deformidades”, alertou o cirurgião.

Prevenção

Com posicionamento paralelo ao dos Estados Unidos, o diretor avaliou a importância da sensibilização social sobre o tema.

“Visando prevenir o ataque de cães, é preciso desenvolver um trabalho educativo com as crianças, os pais e a população em geral, conscientizando todos sobre os riscos e a gravidade desse tipo de acidente, destacando-se que a prevenção é possível de ser realizada e apresenta resultados altamente satisfatórios”, assegurou Penteado. Vacinar os animais e saber detectar comportamentos estranhos são imprescindíveis para garantir segurança tanto para o cão quanto para seu tutor e pessoas próximas.