Publicidade
Entretenimento
MÚSICA

Banda Supercolisor integra coletânea nacional que homenageia o grupo Radiohead

Disco “BR Rainbows” reúne diversas bandas alternativas brasileiras – entre elas, a amazonense – para celebrar os 10 anos do álbum "In Rainbows" 07/12/2017 às 15:05 - Atualizado em 07/12/2017 às 15:17
Show supercolisor7a
(Foto: Andreza Silviano)
Laynna Feitoza Manaus (AM)

A banda amazonense Supercolisor acaba de ser anunciada como parte da coletânea nacional “BR Rainbows”, feita para homenagear os 10 anos do álbum “In Rainbows” (2007), da banda britânica Radiohead. A banda fez uma versão para a música “All I Need”, e figura ao lado de nove bandas alternativas brasileiras que também fizeram releituras de músicas dos britânicos. O Radiohead possui dois shows confirmados no Brasil em 2018: um será no dia 20 de abril, no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, e outro no dia 22 de abril, no Allianz Parque de São Paulo.

“BR Rainbows” foi feito para celebrar exclusivamente a década de existência e influência de “In Rainbows” sobre a música mundial. Ao todo, a coletânea possui 10 versões de músicas do disco aniversariante, interpretadas por 10 bandas brasileiras. O vocalista da Supercolisor, Ian Fonseca, explica ao BEM VIVER que o convite para fazer parte da coletânea partiu do músico brasiliense Kelton Gomes.

“Deu um estalo e eles apareceram com essa ideia do registro-tributo que homenageia o 10º aniversário de um disco tão importante pra nossa geração de artistas, e convidaram aqueles que eles sentiram que mais se identificam ou foram influenciados pelo material original”, diz Fonseca, afirmando que a versão deles para “All I Need” – que está sendo cobrada para entrar no repertório dos seus shows - também foi escolhida para ser o single da coletânea.

“Depois que todos os artistas mandaram suas versões, o Kelton (que também cuidou da masterização do álbum) veio com essa notícia de que a nossa tinha sido escolhida pra encabeçar o lançamento, ou seja, seria o single da coletânea. Segundo os produtores, de todas, a música foi a faixa que melhor resumiu a proposta estética do disco. Creio que porque homenageia sem copiar, imprimindo uma personalidade clara da banda, e tudo isso sem fugir do espírito da composição. Todos os envolvidos gostaram da ideia e ficamos superfelizes”, afirma Ian.

Ian diz que “All I Need” sempre foi uma das faixas que mais o tocam do disco “In Rainbows”. A faixa foi escolhida consensualmente para ganhar a versão por ser, segundo ele, a que mais conversa com o som da Supercolisor. “A levada dura e o clima soturno da canção escondem um brilhantismo lírico que se desenvolve no decorrer da sua duração – o último minuto de música é uma explosão de sentimentos. Talvez isso resuma superficialmente aquilo que sempre fez do Radiohead uma banda magnética pra mim e pra todos os integrantes da banda”, pondera ele.

Por ter sido tudo muito rápido - houve apenas duas semanas entre o convite e o lançamento da coletânea - Ian declara que a banda não teve tempo de “pensar” demais, o que para ele é bom, uma vez que força os músicos a manterem um nível alto de espontaneidade. “A grande questão era: como agregar algo a uma canção que já é perfeita no original? Vejo agora que a solução foi imprimir uma personalidade própria e manter o espírito da original, sem copiar uma nota sequer. Re-harmonizamos a canção, mudamos tom, estrutura, deslocamos as cabeças do lugar, e isso tudo muito rápido”, diz o músico.

História e projetos

A Supercolisor é uma banda amazonense radicada em São Paulo desde 2015. No início a banda, composta na época pelos irmãos Ian e Natan Fonseca, não sabia se a viagem seria só uma turnê ou algo mais definitivo.

“Acabamos nos estabelecendo aqui, até porque parte da nova formação, que também é ‘forasteira’ em São Paulo (Henrique Meyer é natural de Florianópolis e Jérôme Gras é de Paris), já residia aqui há mais tempo, o que não muda nossa vontade de retornar a Manaus sempre que possível e mostrar para os ‘gringos’ a qualidade do nosso tambaqui (risos) e da nossa gente”, destaca Natan Fonseca, baterista da banda.

Sobre o disco “In Rainbows”, Natan lembra que este foi o primeiro disco do Radiohead – banda por pela qual já era apaixonado – que ele pôde acompanhar o lançamento em tempo real. “E para mim ele soa como um marco na música pop contemporânea. Ele soa completo e definitivo, mais ou menos como o ‘Abbey Road’, dos Beatles, também soa. Mas com o ‘Abbey Road’ eu ainda não era vivo, então o ‘In Rainbows’ tem esse fator de ser uma ‘masterpiece’ da minha geração”, assegura.

A banda amazonense, que possui os álbuns “Paranormal Songs” (2012) e “Zen Total do Ocidente” (2015), tem mais um disco à vista. “Tudo está caminhando rápido para o lançamento de um álbum novo em 2018, que é pra dar sorte pra nossa seleção na Copa do Mundo (risos). E com o disco a gente pensa junto em clipes novos e turnê. Acho que o novo material vai ser uma surpresa para nosso público, mais ou menos como foi a transição do ‘Paranormal Songs’ para o ‘Zen Total do Ocidente’”, completa Natan.

Saiba +

As demais músicas da coletânea “BR Rainbows” são “15 Step” (Bratislava); “Bodysnatchers” (Peartree); “Nude” (Tuyo); “Weird Fished” (Aloizio); “Faust Arp” (Amnesiac Kid); “Reckoner” (Zéfiro); “House Of Cards” (Kelton); “Jigsaw Falling into Place” (Guaiamum); e “Videotape” (Diego Marx).