Publicidade
Entretenimento
Buzz

Braga fala pela primeira vez como líder do governo no Senado

Pela primeira vez o senador fala como líder do governo no Senado, já que desde ontem ele vinha dizendo apenas que recebeu o convite da presidente Dilma 13/03/2012 às 20:48
Show 1
Senador Eduardo Braga (PMDB-AM)
acritica.com Manaus

O senador Eduardo Braga (PMDB) disse nesta terça-feira (13), que apesar das novas funções que assume como líder do governo Dilma Rousseff, não deixará de lado o comprometimento com as questões relativas ao estado do Amazonas. Ele enfatizou que buscará o equilíbrio para exercer a nova função, sem esquecer a defesa dos projetos importantes do estado que o elegeu.

“Continuo comprometido com os anseios do desenvolvimento humano, do desenvolvimento econômico, sustentável e ambiental, e acima de qualquer questão, com a justiça social ao povo do Amazonas. Buscarei o tempo todo o consenso, o equilíbrio, a paciência e a determinação que faz parte da minha personalidade, mas não abrirei mão dos princípios que me trouxeram até aqui”, disse.

A oficialização da indicação de Eduardo Braga para a liderança do governo na Casa ocorreu por volta de 17h, por meio de comunicado do porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann. O senador afirmou ter conversado com a presidenta Dilma na última sexta-feira (09), mas só recebeu o convite nesta segunda-feira (12), mas preferiu não se pronunciar sobre o assunto até a indicação oficial.

Ao ser questionado sobre o motivo da escolha do nome dele para a função, Braga disse acreditar que o convite da presidenta ocorreu por conta do bom relacionamento que tem com Dilma Rousseff desde a época da transição do governo de Fernando Henrique Cardoso para o governo Lula. A relação se estreitou quando o senador esteve à frente do governo do Amazonas e Rousseff comandava primeiro o Ministério das Minas e Energia (MME) e depois a Casa Civil.

“Acredito que ela me escolheu por uma afinidade e uma identificação que nós temos há vários anos. E ao longo desse tempo, tratei com ela sobre vários projetos importantes para o Amazonas, sempre de forma convergente e de forma proativa”, enfatizou.

União da base aliada

O senador afirmou que uma de suas prioridades como líder do governo será unir a base aliada. De acordo com ele, o PMDB e os demais partidos que apoiam a gestão da presidenta Dilma precisam estar afinados com os projetos de um governo que vem recebendo, segundo pesquisas, amplo apoio da população brasileira. Para isso, o senador disse que irá conversar com todos os líderes partidários.

“A partir de amanhã (14), irei me reunir com cada um dos líderes para estabelecer um mecanismo de trabalho e um calendário em cima dessa proposta de ampliação, integração e interlocução da bancada com o governo”, explicou, acrescentando que irá conversar também com os partidos que fazem oposição ao governo de Dilma Rousseff.

O novo líder disse ainda que, além de visitar os líderes partidários, irá montar uma agenda de trabalho com a presidenta e a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, para debater sobre os programas e projetos que precisam ser viabilizados no Senado.